Otras publicaciones:

12-4388t

frontcover_RIMISP

Otras publicaciones:

9789871867745_frontcover

9789871867929_frontcover

Bibliografía general

ABREU, J. C. de. O descobrimento do Brasil. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ABREU, J. C. de; RODRIGUES, J. H. Capítulos de história colonial (1500-1800): & Os caminhos antigos e o povoamento do Brasil. Brasília: Editora Universidade, 1963.

AGUIRRE, C. Antonio Rojas. Immanuel Wallerstein y la perspectiva crítica del «análisis de los sistemas-mundo». Revista Colombiana de Sociología, Bogotá, n. 25, p. 227-263, 2005.

ALEGRE, M. S. Imagem e representação do índio no séc. XIX. In: GRUPIONI, L. D. B. (Org.). Índios no Brasil. São Paulo: SMC, 1992, p. 59-72.

ALENCAR, J. A. 1964 e a “Questão Militar”. Revista de Estudios Brasileños, Salamanca, v.3, n.2, p. 120-134, 2015.

ALENCASTRO, L. F. de. A economia política dos descobrimentos. A descoberta do homem e do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

ALMEIDA, M. da C. de. Para comprender la complejidad. Hermosillo: Multiversidad Mundo Real Edgar Morin, 2006.

ALMEIDA, M. R. C. de. Os Índios na História do Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

ALMEIDA, M. R. C. de. Um tesouro descoberto: imagens do índio na obra de João Daniel. Tempo, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 147-160, 1995.

ALVES, C. Educação e Identidade no discurso militar do século XIX. Revista História & Perspectivas, Uberlândia, v. 1, n 38, 2009.

ALVES, C. Formação militar e produção do conhecimento geográfico no Brasil do século XIX. Scripta Nova: revista electrónica de geografía y ciencias sociales, v. 10, n. 218, agosto 2006.

ALVES, M. M. A Igreja e a política no Brasil. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1978.

AMADO, J. Região, Sertão, Nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 15, p. 145-151, 1995.

AMOROSO, M. R. Mudança de hábito: catequese e educação para índios nos aldeamentos capuchinhos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 13, n. 37, p. 101-114, 1998.

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas. Reflexiones sobre el origen y la difusión del nacionalismo. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.

ANDRADE, R. de P. Conquistar a terra, dominar a água, sujeitar a floresta: Getúlio Vargas e a revista “Cultura Política” redescobrem a Amazônia (1940-1941). Boletin Museu Emílio Goeldi, Belém, v. 5, n. 2, p. 453-468, maio-agosto, 2010.

ANSALDI, W. Dormir con el enemigo. Las organizaciones de la sociedad civil en la transición a la democracia política en Brasil. El príncipe, La Plata, v. 3.5, n. 699, p. 207-247, 1996.

ANTONIAZZI, M. R. F. A historicidade da práxis pedagógica dos jesuítas no Brasil Colônia: 1549-1697. 1994. Dissertação (Mestrado) – Fauldade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1994.

APUBLICA.ORG, A ‘guerra’ do Araguaia contada pelos Aikewara. 10 de diciembre de 2014, disponible en: <https://bit.ly/2Ybgco5>. Accedido en: 04 mayo 2016.

ARCE, J. M. V. Decadencia y auge de las identidades. México: El Colegio de la Frontera Norte, Plaza y Valdés, 2000.

ARENS, W. El mito del canibalismo: antropología y antropofagia. México: Siglo XXI, 1981.

ARNS, P. E. Brasil Nunca Mais. Petrópolis: Editora Vozes, 1996.

ARRIETA, D. D. La identidad nacional de los estados brasileño y argentino como construcción literaria a través de las figuras del bandeirante y del gaucho. Revista História e Cultura, Franca-SP, v.3, n.1, p.105-119, 2014.

AUGUSTO, R. El nacionalismo ¡vaya timo! La decadencia de una ideología. Pamplona: Laetoli, 2012.

AURELI, W. Bandeiras D’Oeste. São Paulo: Edições Leia, 1962,

AZEVEDO, D. A Igreja Católica e seu papel político no Brasil. Estudos avançados, São Paulo, v. 18, n. 52, p. 109-120, 2004.

BALDUS, H. Bibliografía critica da antropologia. Revista de Antropologia. v. 10, n. 1/2, pp. 27-42, junio/diciembre 1962.

BAPTISTA, P. A. A Teologia da Libertação desafiada pelo Pluralismo Religioso e o Paradigma Ecológico. Caminhos, Goiânia, v. 10, n. 2, p. 110-128, 2012.

BARBOSA, R. Contra o militarismo: campanha eleitoral de 1909 a 1910. Rio de Janeiro: J. Ribeiro dos Santos, s.d., 1910.

BARROS, E. L. de. Os governos militares. São Paulo: Contexto, 1991.

BARTRA, R. El mito del salvaje. México: Fondo de Cultura Económica, 2011.

BASTOS, R. J. de M. Exegeses Yawalapití e Kamayurá da criação do parque indígena do Xingú ea invenção da saga dos irmãos Villas Boas. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 30/32, p. 391-426, 1987.

BATALLA, G. B. El concepto de indio en América Latina: una categoría de la situación colonial. Boletín Bibliográfico de Antropología Americana, México, vol. 48, p. 17-32, 1997.

BATALLA, G. B. La teoría del control cultural en el estudio de procesos étnicos. Revista papeles de la casa Chata, México, v. 2, n. 3, p. 23-43, 1987.

BATALLA, G. B. Lo propio y lo ajeno: una aproximación al problema del control cultural. Revista Mexicana de Ciencias Políticas y Sociales, México, v. 103, p. 1983-191, 1981.

BATISTA, A. B. O golpe de 1964 e a ditadura civil-militar brasileira no discurso de Paulo Francis. Espaço Plural, Cascavel, v.13, n.27, p. 111-125, 2012.

BAUZÁ, H. F. El mito del héroe. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 1998.

BEJARANO, R. C. Consulta indígena latinoamericana: crítica a Barbados. Asunción: Editorial TOLEDO, 1972.

BELLEAU, J. P. History, Memory, and Utopia in the Missionaries’ Creation of the Indigenous Movement in Brazil (1967–1988). The Americas, Cambridge, v. 70, n. 04, p. 707-730, 2014.

BELMONTE. No tempo dos bandeirantes. São Paulo: Melhoramentos, 1948.

BELTRÃO, L. O índio na imprensa brasileira. Petrópolis: Vozes, 1977a.

BELTRÃO, L. O índio: um mito brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1977b.

BENTUÉ, A. Panorama de la teología en América Latina desde el Vaticano II a Santo Domingo. Teología y Vida, Santiago, n. 36, 159-191, 1995.

BERENGUER, E. O. Historia social, cultura y civilización: Una perspectiva. Baética: Estudios de arte, geografía e historia, Málaga, n. 34, p. 505-528, 2012.

BERIAIN, J. Modernidades Múltiples y Encuentro de Civilizaciones. Revista Mad, Santiago, nº 6, enero 2002.

BETHELL, L. (Org.). Os índios e a fronteira no Brasil colonial. São Paulo: EDUSP, 1998.

BETTENCOURT, L. Cartas brasileiras: visão e revisão dos índios. In: GRUPIONI, L. D. B. (org.). Indios no Brasil. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, pp. 39-46, 1992.

BEZERRA, P. C. G. Os Bispos Católicos e a Ditadura Militar Brasileira: A Visão da Espionagem, Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2013.

BICALHO, P. S. dos S. Protagonismo Indígena no Brasil: Movimento, Cidadania e Direitos (1970-2009). 2010. 464 f. Tese (Doutorado em História)- Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

BIGIO, E. dos S. A ação indigenista brasileira sob a influência militar e da Nova República (1967-1990). FUNAI/Revista de Estudos e Pesquisas, Brasília, v.4, n.2, p.13-93, diciembre 2007.

BIGIO, E. dos S. Falas, contradições, ações interinstitucionais e representações sobre índios no Brasil e na Venezuela. 2007, 398 f. Tese (Doutorado em História). Universidade de Brasilia, Brasilia, 2007.

BILAC, M. B. B.; TERCI, E. T. Piracicaba: de centro policultor a centro canavieiro (1930-1945). Piracicaba: Editora UNIMEP, 2001.

BOFF, L. O caminhar da Igreja com os oprimidos: Do vale das lágrimas à terra prometida. Rio de Janeiro: Codecri, 1981.

BOFF, L. O evangelho do Cristo Cósmico. Petrópolis: Vozes, 1971.

BORGES FILHO, N. Os militares no poder. São Paulo. Editora Acadêmica, 1994.

BORGES FILHO, N. Sobre o sagrado e o profano: civis e militares na política brasileira. Florianopolis: Letras Contemporâneas, 1996.

BOSI, A. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BRANCO, C. C. Introdução à revolução de 1964. Tomo (1): agonia do poder civil. Rio de Janeiro: Arte Nova, 1975.

BRASIL, A. B. O pajé da beira da estrada. Porto Algre: Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana, 1986.

BRIGAGÃO, C. A militarização da Sociedade. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 1985.

BROOKS, Edwin. Tribes of the Amazon Basin in Brazil, 1972. London: Transatlantic Arts, 1973.

CABIXI, D. M. A questão indigena. Cuiabá: CDTI, 1984.

CAIRO, H. C. La colonialidad y la imperialidad en el sistema-mundo. Viento sur, Madrid, n. 100, p. 65-74, 2009.

CAMPOS, A. Ditadura criou cadeias para índios com trabalhos forçados e tortura. Apublica.org, 24 junho 2013, disponible en: <https://bit.ly/14w8LZb>. accedido en: 15 marzo 2014.

CANCIAN, R. Igreja Católica e ditadura militar no Brasil. São Paulo: Claridade, 2011.

CARDOSO, L. C. Criações da memória: defensores e críticos da ditadura (1964-1985). Cruz das Almas: UFRB, 2012.

CARNEIRO, J. M. Filosofia e educação na obra de Rondon. Rio de Janeiro: Bibliex, 1988.

CARVALHO, E. de. O fator geográfico na política brasileira. Rio de Janeiro: Monitor Mercantil, 1921.

CARVALHO, J. M. de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. Companhia das Letras, São Paulo, 1990.

CARVALHO, J. M. de. Cidadania no Brasil, o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

CASALDÁLIGA, P. Uma Igreja da Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social. São Paulo: Impressa, 1972.

CASTELLIS, M. O Poder da Identidade. A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTILHO, M. A. de. Os índios Bororo e os salesianos na Missão dos Tachos. Campo Grande: Editora UCDB, 2000.

CASTRO, E. V. Metafísicas Caníbales. Buenos Aires: Katz Editores, 2010.

CASTRO-GÓMEZ, S. Ciencias sociales, violencia epistémica y el problema de la “invención del Otro”. In: LANDER, Edgardo (Org..). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericana. 2000, Buenos Aires: CLACSO, p. 191-213.

CASTRO-GÓMEZ, S. Michel Foucault y la colonialidad del poder. Tabula Rasa, Bogotá, n. 6, p. 153-172, 2007.

CEBALLOS, H. G. Foucault y el poder. México: Ediciones Coyoacán, 1994.

CEDI. A campanha do Jornal O Estado de São Paulo e os interesses das mineradoras. Tempo e Presença, Rio de Janeiro, nº 223, set., 1987.

CERVANTES-ORTÍZ, L. Series de Sueños: La teología ludo-erótico-poética de Rubem Alves. Lima: Departamento de Comunicaciones Consejo Latinoamericano de Iglesias, 2003.

CEZAR, T. Varnhagen em movimento: breve antologia de uma existência. Topoi, Rio de Janeiro, v. 8, p. 159-207, 2007.

CHAOUCH, M. La teología de la liberación en América Latina: una relectura sociológica. Revista mexicana de sociología, México, v. 69, n. 3, p. 427-456, 2007.

CIMI. A violência contra os povos indígenas no Brasil. Relatório. Brasília, 2013.

CIMI. Os povos indígenas e a Nova República. São Paulo: Paulinas, 1986.

CIMI. Os povos indígenas e a Nova República: documento do Conselho Indigenista Missionário. São Paulo: Edição Paulinas, 1986.

CIMI. Outros 500: construída uma nova história. São Paulo: Ed. Salesiana, 2001.

COELHO, N. A ocupação da Amazônia e a presença militar. São Paulo: Atual editora, 1998.

COHEN, A. Urban ethnicity. Londres: Tavistock Publications, 1974.

COMBLIM, J. A ideología da segurança nacional: o poder militar na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileiro, 1978.

COSTA, C. Estrutura político-repressiva no Brasil e em Portugal: DOPS e PIDE (1945-1974). Iberoamérica Social: revista-red de estudios sociales, Sevilla, año 3, n. 5, p. 67-81, 2015. Disponible en: <https://bit.ly/2Gg5fHZ>, accedido en: 24 de junio de 2015.

COSTA, D. C. Politica Indigenista e asistencia à saude: Noel Nutels e o Serviço de Unidades Sanitarias Aereas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, n. 4, v. 3, p. 388-401, out/dez, 1987.

COUTO, R. C. História indiscreta da ditadura e da abertura: Brasil: 1964-1985. Rio de Janeiro: Record, 1998.

CUNHA, E. da. Os Sertões. Brasília: Francisco Alves, 1984.

CUNHA, M. C. da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

CUNHA, M. C. da. Imagens de Índios do Brasil: O século XVI. Estudos Avançados, São Paulo, v. 4, n. 10, p. 91- 110, septiembre-diciembre, 1990.

CUNHA, M. C. da. Indigenous People, traditional people and conservation in the Amazon. Daedalus, Journal of the American Academy of Arts and Sciences, Cambridge, v. 129, n. 2, p. 315-338, 2000.

CUNHA, M. C. da. O futuro da questão indígena. Estudos avançados, São Paulo, v.8, n.20 p. 121-136, septiembre-diciembre 1994.

DREIFUSS, R. A. 1964, A conquista do Estado: ação política, poder e golpe de classe. Petrópolis: Vozes, 1981.

DUARTE, N. A ordem privada e a organização nacional. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1966.

DUBIN, M. El indio, la antropofagia y el Manifiesto Antropófago de Oswald de Andrade. Espéculo: Revista de Estudios Literarios, Madrid, n. 44, p. 10, 2010.

DUMONT, L. Essais sur l’indivualisme: Une perspective anthropologique sur l’ideologie moderne. Paris: Editions du Seuil, 1983.

DUMOULIN, D. ¿Quién construye la aureola verde del indio global? El papel de los distintos actores transnacionales y la desconexión mexicana. Foro Internacional, México, v. 45, n.179, p. 35-64, 2005. Disponible en: <https://bit.ly/2NXupkP>, accedido en: 8 noviembre 2015.

DUSSEL, E. 1492, El encubrimiento del Otro: Hacia el origen del “mito de la modernidad”. La Paz: Plural Editores, 1994.

DUSSEL, E. Europa, modernidad y eurocentrismo. Revista Ciclos en la Historia, la Economía y la Sociedad, Córdoba, n. 8, p. 167-178, 1995.

DUSSEL, E. Teología da Liberación. Un panorama de su desarrollo. México: Potrerillos Editores, 1996.

DUSSEL, E. América Latina: dependencia y liberación. Buenos Aires: Librería García Cambeiro, 1973. Disponible en: <https://bit.ly/2XQu1t1>, accedido en: 3 febrero 2014.

ESCOBAR, A. Mundos y conocimientos de otro modo, el programa de investigación de modernidad/colonialidad latinoamericano. Tabula Rasa, Bogotá, n.1, p. 51-86, 2003.

ESCRIBANO, F. Descalço sobre a terra vermelha. São Paulo: Hucitec, 2000.

EXPEDITO, A. O índio e a expansão nacional. Belem: CEJUP, 1989.

FAIRCLOUGH, N. Language and Power. Londres y Nueva York: Longman, 1989.

FANNY, R. O conselho Indigenista Missionário (CIMI). Cadernos do ISER, Rio de Janeiro, n.10, p. 10-25, 1980.

FANON, F. Piel negra, máscaras blancas. Madrid: Ediciones Akal, 2009.

FARIA, G. A verdade sobre o Indio. Rio de Janeiro: s/Ed, 1981.

FEITOSA, A. A liberdade do índio no discurso da Companhia de Jesus no Brasil. Revista Educação em Debate, Fortaleza, a. 9, n. 11, p. 65-70, 1986.

FERREIRA, A. C. Tutela e resistência indígena. São Paulo: Edusp, 2013.

FERREIRA, M. L. Pioneiros da Marcha para o oeste, Memória e Identidade na Fronteira do Médio Araguaia. 1998. Tese (Doutorado em Antropologia Social e Cultural), Universidade de Brasilia, Brasilia, 1998.

FICO, C. “Prezada Censura”: cartas ao regime militar. Topoi, Rio de Janeiro, v.3, n.5, p. 251-286, 2002.

FICO, C. Espionagem, polícia política, censura e propaganda: os pilares básicos da repressão. O Brasil republicano, São Paulo, v. 4, p. 167-206, 2003.

FICO, C. Versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.24, n.47, p.29-60, 2004.

FICO, C. Além do golpe: versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Rio de Janeiro: Editora Record, 2004.

FICO, C. Como eles agiam: os subterrâneos da Ditadura Militar: espionagem e polícia política. Rio de Janeiro: Editora Record, 2001.

FICO, C. O grande irmão da Operação Brother Sam aos anos de chumbo: o governo dos Estados Unidos e a ditadura militar brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

FICO, C. Reinventando o otimismo: ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil. Brasília: Fundação Getúlio Vargas Editora, 1997.

FLECK, E. C. D. “La sangre de los mártires es la semilla de cristianos nuevos”: a consagração póstuma de missionários jesuítas (Província Jesuítica do Paraguai-século XVII). Revista de História, n. 168, p. 351-381, 2013.

FRANCHETTO, B.; HECKENBERGER, M. (org.). Os povos do Alto Xingu–história e cultura. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001.

FREIRE, C. A. da R. (org.). Memória do SPI: textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910-1967). Rio de Janeiro: Museu do Índio/FUNAI, 2011.

FREIRE, C. A. da R. A criação do Conselho Nacional de Proteção aos Índios e do Indigenismo Interamericano (1939-1955). Boletim do Museu do Índio, Rio de Janeiro, n.5, diciembre 1996.

FREIRE, C. A. de R. Sagas sertanistas: práticas e representações do campo indigenista no século XX. 2005. 2055 f. Tese. (Doutorado em Antropologia Social) – PPGAS/MN, UFRJ, Rio de Janeiro, 2005.

FREIRE, C. A. de R. Vida de Sertanista: a trajetória de Francisco Meirelles. Tellus, Campo Grande, n. 14, p. 87-114, 2014.

FREITAS, E. B. de. Índios-Soldados, a GRIN e a tradição militar da política indigenista brasileira. 1999. Tese (Doutorado em Historia Social). Universidade São Paulo, São Paulo,1999.

FREITAS, M. V. de. Noel Nutels: vida, história e romance. História, ciência, saúde, Rio de Janeiro, v. 4, nov.1997-fev.1998.

FREYRE, G. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1961.

FURTADO, C. A hegemonia dos Estados Unidos e o subdesenvolvimento da América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973.

FURTADO, C. Brasil: de la República oligárquica al Estado militar. In: FURTADO, C. (Org.) Brasil Hoy. México: Siglo XXI, 1975.

FURTADO, J. F. O mapa que inventou o Brasil. São Paulo: Versal Ed. 2013.

gagliardi, J. M. O indígena e a Republica. São Paulo: HUCITEC, 1989.

GALVÃO, E. Encontro de sociedades, índios e brancos no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GALVÃO, E.; SIMÕES, M. F. Mudança e sobrevivência no Alto Xingu, Brasil-Central. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 14, p. 37-52, 1966.

GARFIELD, S. As raízes de uma planta que hoje é o Brasil: os índios e o Estado-Nação na era Vargas. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 20, n. 39, p. 13-36, 2000.

GARFIELD, S. Indigenous Struggle at the Heart of Brazil: State Policy, Frontier Expansion, and the Xavante Indians, 1937–1988. Durham: Duke University Press, 2001.

GEE, J. Social Linguistics and Literacy. Ideology in Discourses. Londres, Nueva York, Filadelfia: The Falmer Press, 1990.

GELLNER, E. Naciones y nacionalismo. Madrid: Alianza, 2003.

GERBI, A. La naturaleza de las Indias nuevas: de Cristóbal Colón a Gonzalo Fernández de Oviedo. México: Fondo de cultura económica, 1978.

GERSEM, L. dos S. O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de Hoje. Brasília: MEC/Unesco, 2006

GIRAUDO, L.; LEWIS, S. E. Pan-American Indigenismo (1940-1970): New Approaches to an Ongoing Debate. Latin American Perspectives, Riverside, v.39, n.5, septiembre 2012.

GIRAUDO, L.; SÁNCHEZ, J. M. (Org.). La ambivalente historia del indigenismo: campo interamericano y trayectorias nacionales, 1940-1970. Lima: Instituto de Estudios Peruanos, 2011.

GOHN, M. da G. Movimentos sociais no início do século XXI: antigos e novos atores sociais. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2003.

GORENDER, J. Combate nas trevas. São Paulo: Ática, 1999.

GRANN, D. The lost city of Z: a tale of deadly obsession in the Amazon. New York: Vintage Books USA, 2010.

GROSFOGUEL, R. Cambios conceptuales desde la perspectiva del sistema-mundo: del cepalismo al neoliberalismo. Nueva Sociedad, Buenos Aires, n. 183, p. 151-166, enero-febrero 2003.

GROSFOGUEL, R. Del «extractivismo económico» al «extractivismo epistémico» y al «extractivismo ontológico»: una forma destructiva de conocer, ser y estar en el mundo. Tabula Rasa, Bogotá, n.24, p. 123-143, enero-junio 2016.

GROSFOGUEL, R. La descolonización del conocimiento: diálogo crítico entre la visión decolonial de Frantz Fanon y la sociología descolonial de Boaventura de Sousa Santos. Formas-Otras: Saber, nombrar, narrar, hacer, Barcelona, p. 97-108, 2011.

GRUZINSKI, S. O Pensamento Mestiço. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

GUZMÁN, T. D. Indigenismo y el imaginario brasileño. IN: MENDOZA-MORI, A.; LIENDO, L. (Org.). 2010, Reflexiones universitarias sobre literatura y discursos de América Latina. Lima: Red de Literatura Peruana, p. 83-105.

GUZMÁN, T. D. Subalternidade hegemônica: Darcy Ribeiro e a virtude da contradição. Cadernos de Estudos Culturais, Campo Grande, v. 3, n. 5, 2011.

GUZMÁN, T. D. Native and national in Brazil: indigeneity after independence. Miami: UNC Press Books, 2013.

HALE, C; MILLAMÁN, R. Cultural Agency and Political Struggle in the Era of the Indio permitido. IN: Sommers, D. D. (Org.). 2005, Cultural Agency in the Americas, Durham, p. 281-304.

HALL, J. A. Estado y nación. Ernest Gellner y la teoría del nacionalismo. Madrid: Cambridge University Press, 2000.

HECK, E. D. Os índios e a caserna – políticas indigenistas dos governos militares – 1964 a 1985. 1996. Dissertação (Mestrado ciências políticas)- Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

HEMMING, J. Die If You Must: Brazilian Indians in the Twentieth Century. London: Pan Macmillan, 2003.

HEMMING, J. Amazon frontier: The defeat of the Brazilian Indians. London: Macmillan, 1987.

HEMMING, J. Red gold: the conquest of the Brazilian Indians. London: Macmillan, 1978.

HOBSBAWM, E. Naciones y Nacionalismo desde 1780. Barcelona: Crítica, 1998.

HOBWSBAWN, E. La invención de la tradición. Revista Uruguaya de Ciencia Política, Montevideo, n. 4, p. 97-107, 1991.

HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil, vol. 26. São Paulo: Companhia das Letras, 1984.

HOLANDA, S. B. de. Visão do paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2000.

HOORNAERT, E. (Org.). Historia da Igreja na Amazônia. Petrópolis: Vozes, 1992.

HOORNAERT, E. Das reduções latino-americanas ás lutas indígenas atuais. São Paulo: Paulinas, 1982.

HOORNAERT, E. A Igreja no Brasil-colônia: 1550-1800. São Paulo: Editora brasiliense, 1984.

HÜTTNER, É. A Igreja Católica e os povos indígenas do Brasil: os Ticuna da Amazônia. Porto Alegre: Edipucrs, 2007.

JOVIANO, C. A. M. O Colono e o índio na ocupação da Nova Alta Paulista. ANAP Brasil, São Paulo, v. 4, n.4, jul., p. 42-51, 2011.

KIENING, C. O sujeito selvagem: pequena poética do Novo Mundo. São Paulo: Edusp, 2014.

LANDER, E. Ciências Sociais: Saberes Coloniais e Eurocêntricos. In: LANDER, E. (Org.). 2005, A colonialidade do saber: Eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-Americanas. Buenos Aires: CLACSO.

LEVI-STRAUSS, Cl. Tristes Trópicos. Barcelona: Paidós Ibérica, 1997.

LIMA, A. C. de S. FUNAI, diccionario histórico-biografico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, 1984.

LIMA, A. C. de S. O governo dos índios sob a gestão do SPI. In: DA CUNHA, M. (org.). História dos índios no Brasil. 1992b, São Paulo: Cia. das Letras, p. 155-172.

LIMA, A. C. de S. Poder tutelar y formación del Estado en Brasil: notas a partir de la creación del Servicio de Protección a los Indios y Localización de Trabajadores Nacionales. Desacatos, México, n. 33, p. 53-66, 2010.

LIMA, A. C. de S. Sobre indigenismo, autoritarismo e nacionalidade. In: OLIVEIRA, F. (Org.). Sociedades indígenas e indigenismo no Brasil. 1987, Rio de Janeiro/ São Paulo: UFRJ/Marco Zero, p. 149-214.

LIMA, A. C. de S. Um grande cerco de paz: poder tutelar e indianidade no Brasil. 1992. 335 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1992a.

LIMA, A. C. de S. Um olhar sobre a presença das populações nativas na invenção do Brasil. In: DA SILVA, A., GRUPIONI, L. (Org.). A questão indígena na sala de aula. Novos Subsídios para professores de 1º e 2º graus. 1995, Brasília: MEC, pp. 407-419.

LIMA, A. C. de S.. Aos fetichistas, Ordem e Progresso: um estudo do campo indigenista no seu estado de formação. 1985, Dissertação (Maestría en Antropología)- Universidad Federal de Río de Janeiro, Río de Janeiro, 1985.

LIMA, L. G. de S. Evolução política dos católicos e da Igreja no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1979.

LIMA, M. G. L. de. O índio na mídia impressa em Roraima. 2001. Dissertação. (Mestrado em Multimeios) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

LIMA, N. T. Um sertão chamado Brasil – Intelectuais, sertanejos e imaginação social. 1997. Tese (Doutorado)- Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.

LÖWY, M. As esquerdas na ditadura militar: o cristianismo da libertação. IN: FERREIRA, J. e REIS FILHO, D. A. (Org.). Revolução e democracia (1964-1988). 2007, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

LÖWY, M. Marxismo e teologia da libertação. São Paulo: Cortez, 1991.

LÖWY, M. A guerra dos deuses: religião e política na América Latina. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

MAGALHAES, A. C. As nações indígenas e os Projetos Económicos de Estado – A política de ocupação de espaço na Amazônia. Boletím do Museo Paraense Emilio Goeldi, Belém, v. 6, n. 2, diciembre 1990.

MALCHER, J. M. da G. Índios: grau de integração na comunidade nacional, grupo linguístico, localização. Brasilia: Ministério da Agricultura-Conselho Nacional de Proteção aos Indios, 1964.

MAQUEO, R. O. Liberación y teología. Génesis y crecimiento de una reflexión (1966-1976). Lima: Centro de Estudios y Publicaciones, 1980.

MARÉS FILHO, C.F. O direito envergonhado (O direito e os indios no Brasil). Revista IIDH, Costa Rica, v. 15, p. 145-164, 1998.

MARQUEIZ, J. Villas Bôas e os índios: documento. São Paulo: Expressão, 1978.

MARTÍN, J. A. M. Historia socio-cultural: el tiempo de la historia de la cultura. Revista de Historia Jerónimo Zuríta, Zaragoza, n. 82, p. 237-252, 2007.

MARTINS, J. de S. Fronteira, A degradação do Outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec, 1997.

MATO, M. H. O. O Processo de criação e consolidação do movimento pan-indigena no Brasil (1970-1980). 1997. Dissertação (Mestrado em Antropologia) –Universidade de Brasilia, Brasilia, 1997.

MATTA, R. da. Quanto custa ser índio no Brasil? Considerações sobre o problema da identidade étnica. Revista Dados, Rio de Janeiro, v. 13, p. 33-54, 1976.

MATTOS, A. L. L. B. de. Darcy Ribeiro: uma trajetória (1944-1982). Tese (Doctorado en Ciencias Sociales)- Universidad Estatal de Campinas, Río de Janeiro, 2007.

MCCANN, F. D. Soldados da pátria: história do Exército brasileiro (1889-1937). São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2007.

MELATTI, C. Índios do Brasil. São Paulo, HUCITEC/INL-MEC, 1980.

MELO, F. A. A. de. A criação do Conselho de Proteção aos Índios e o Indigenismo Interamericano (1939-1955). Boletim do Museu do Índio, Rio de Janeiro, n.5, 1996.

MELO, F. Af. A. de. O índio brasileiro e a revolução francesa: as origens brasileiras da teoria da bondade natural. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1976

MENDES, L. R. A Marcha para O Oeste e os índios do Xingu. Brasília: FUNAI, 1992.

MENDES, L. R. A política indigenista em Goiás: 1850-1889. 1988. Dissertação (Mestrado História). Universidade de Brasília, Brasília, 1988.

MENDES, M. de S. Heinz Forthmann e Darcy Ribeiro: cinema documentário no Serviço de Proteção aos Índios (SPI), 1949-1959. 2006, tesis (Doctorado en Multimedios)- Universidad Estatal de Campinas, Campinas, 2006.

MENÉNDEZ, M. L. La humanidad de los mártires: Notas para el estudio sociohistórico del martirio. Intersticios sociales, México, n. 10, p. 1-23, 2015.

MENEZES, M. L. P. Parque Indígena do Xingu: construção de um território estatal. Rio de Janeiro: Ed. UNICAMP, 2000.

MEYER, J. W., et al. World society and the nation-state. American Journal of sociology, Chicago, v.103.1, p. 144-181, 1997.

MIGNOLO, W. El pensamiento des-colonial, desprendimiento y apertura: un manifiesto. Tristes Trópicos, 2005. Disponible en: <https://bit.ly/2xOO7Ez> accedido en: 29 julio 2014.

MIGNOLO, W. La colonialidad a lo largo y a lo ancho: el hemisferio occidental en el horizonte colonial de la modernidad. In. MARTINEZ, J.. RODRIGUEZ, I. (Org.). Estudios transatlánticos postcoloniales. 2010, Barcelona: Anthropos, p. 237-270.

MIGNOLO, W. Historias locales/diseños globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid: Ediciones Akal, 2003.

MIGNOLO, W. The darker side of the Renaissance: Literacy, territoriality, and colonization. Michigan: University of Michigan Press, 2003.

MONTEIRO, J. M. Armas e Armadilhas: história e resistência dos índios. IN: Novaes A. (Org.). A outra margem do ocidente. 1999, São Paulo: Companhia das Letras, p. 237-249.

MONTEIRO, J. M. As raças indígenas no pensamento brasileiro do Império. Raça, ciência e sociedade, Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, p. 15-22, 1966.

MONTEIRO, J. M. Entre o etnocídio e a etnogênese: identidades indígenas coloniais. In: FAUSTO, C. e MONTEIRO J. (Org.). Tempos índios: histórias e narrativas do novo mundo. 2007, Rio de Janeiro: Museu Nacional de Etnologia Assírio e Alvim, p. 25-65.

MONTEIRO, J. M. Negros da Terra: Índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MONTEIRO, J. M. Tupis, tapuias e historiadores: estudos de historia indígena e do indigenismo. 2001, Tese (para obter grado de Livre-docente em Antropologia Social)- Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

MONTEIRO, J. M. Unidade, Diversidade e a Invenção dos Índios: Entre Gabriel Soares de Sousa e Francisco Adolfo de Varnhagen. Revista de história, São Paulo, v. 149, p. 109-137, 2003.

MONTEIRO, J. M. Brasil Indígena no Século XVI: Dinâmica Histórica Tupi e as Origens da Sociedade Colonial. Ler História, LISBOA, v. 19, p. 91-103, 1990.

MONTEIRO, J. M. Guia de Fontes para a História Indígena e do Indigenismo em Arquivos Brasileiros: Acervos das Capitais. São Paulo: Núcleo de Hístória Indígena e do Indigenismo/Fapesp, 1994b.

MONTEIRO, J. M. O escravo índio, esse desconhecido. IN: Luís D. B. G. (org.). Índios no Brasil. 1994, Brasília: Ministério da Educação e do Desporto.

MONTENEGRO, A. T. Dictadura en Brasil (1964 -1985): La militancia política, el encarcelamiento y la tortura. Confluenze, Bologna, v.6, n.2, p.167-200, 2004.

MOOG, V. Bandeirantes e pioneiros: paralelo entre duas culturas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.

MORA, V. V. Cuerpos, Cadáveres y Comida: Canibalismo, Comensalidad y Organización Social en la Amazonia. Antípoda: Revista de Antropología y Arqueología, Bogotá, n. 6, p. 271-291, 2008.

MOREIRA, A. da S. Democracia e Direitos Humanos no Brasil: as contribuições da Teologia da Libertação. Caminhos, Goiás, v. 14, n. 1, p. 207-221, 2016.

MÜLLER, Cristina et al. (Ed.). O Xingu dos Villas Bôas. São Paulo: Metalivros, 2002.

NASCIMENTO, José Antonio Moraes. Ocupação e apropriação do território Kaingang, Territórios e fronteiras, Cuiabá, v. 4, n. 2, p. 189-211, 2011.

NAVARRO, E. de A. A escravização dos índios num texto missionário em língua geral do século XVIII. Revista USP, São Paulo, n. 78, p. 105-114, 2008.

NETO, J. A. de F. Bárbaros e civilizados: representações de uma América em construção. IN: MIYOSHI, A. (Org.). O selvagem e o civilizado na artes, fotografía e literatura do Brasil. 2010, Campinas: Unicampo/IFCH, p. 9-23.

NEWLANDS, L.; RAMOS, A. A. Apoena: O Homem que enxerga longe. Goiás: Editora da UCG – Universidade Católica de Goiás, 2007.

O’GORMAN, E. La invención de América. México: Fondo de Cultura Económica, 1995.

OCHOA, V. Já estamos com os bárbaros dentro de casa. Entrevista a Altino Berthier Brasil. Revista Extra Classe, São Paulo, 2010. Disponible en: <https://bit.ly/2JNfBzV>, accedido en: 25 abril 2014.

OLIVEIRA FILHO, J. P. O nosso governo: os Ticuna e o regime tutelar. São Paulo: Marco Zero, 1988.

OLIVEIRA FILHO, J. P. Segurança das fronteiras e o novo indigenismo: Formas e Linhagem do Projeto Calha Norte. Antropologia e Indigenismo, Rio de Janeiro, nº 1, noviembre 1990.

OLIVEIRA, A. G. O Mundo Transformado, Um Estudo da Cultura de Fronteira no Alto Rio Negro. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1995.

OLIVEIRA, E. A vitimização dos índios da Amazônia. Belém: Cejup, 1991.

OLIVEIRA, J. P. de (Org.). Projeto Calha Norte, Militares, índios e fronteiras. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1990.

OLIVEIRA, J. P. de. Contexto e horizonte ideológico: reflexões sobre o Estatuto do índio. In: SANTOS, S. C. dos (org.) Sociedades indígenas e o direito: uma questão de direitos humanos. 1985, Florianópolis: Ed. USFC: CNPq, pp. 17-30.

OLIVEIRA, J. P. de. Fundação Nacional do Índio (FUNAI). In: ABREU, A. A. de (Coord.). Dicionário histórico-biográfico brasileiro: pós-30. 2001 Rio de Janeiro: FGV, pp. 2426-2432.

OLIVEIRA, J. P. de. Muita terra para pouco índio? Uma introdução (crítica) ao indigenismo e à atualização do preconceito. In: GRUPIONI, L. D.; SILVA, A. L. da. A temática Indígena na Escola. Novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. 1995, Brasilia: MEC.

OLIVEIRA, J. P. de. Os atalhos da magia: reflexões sobre o relato dos naturalistas viajantes na etnografia indígena. Boletim Do Museu Paraense Emilio Goeldi, Belém, v.3, n. 2, p. 155-188, 1987.

OLIVEIRA, J. P.; FREIRE, C. A. da R. A presença indígena na formação do Brasil. Brasília: MEC/Unesco, 2006.

OLIVEIRA, L. L. A conquista do espaço: sertão e fronteira no pensamento brasileiro. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, Vol. 5 (suplemento), p. 195-215, Julho 1998.

OLIVEIRA, L. L. Bandeirantes e pioneiros: As fronteiras no Brasil e nos Estados Unidos. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, noviembre, n. 37, pp. 214-224, 1993.

OLIVEIRA, R. C. de. Identidade étnica, reconhecimento e o mundo moral. Revista Anthropológicas, ano 9, v. 16, n.2, p. 9-40, 2005.

OLIVEIRA, R. C. de. A crise do indigenismo. Campinas: Editora da UNICAMP, 1988.

OLIVEIRA, R. C. de. Aculturação e fricção interétnica. América Latina, Rio de Janeiro, v. 2, p. 33-43, 1963.

OLIVEIRA, R. C. de. Identidade, etnia y estrutura social. São Paulo: Pioneira, 1976.

OLIVEIRA, R. C. de. Movimientos indígenas e indigenismo no Brasil. América Indígena, México, v. 41, n. 3, p. 399-405, jul.set.,1981.

OLIVEIRA, R. C. de. O índio na consciência nacional. América Indígena, México, v. 26, n. 1, p. 43-52, jan.1966.

OLIVEIRA, R. C. de. O trabalho do antropólogo. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 13-37, 1996. 

OLIVEIRA, R. C. de. Prácticas interétnicas y moralidad. América Indígena, México, vo. 1, n.4, p.9-25, 1990.

OLIVEIRA, R. C. de. Tempo e tradição interpretando a antropologia. Série Antropologia, Brasilia, n.41, p. 13, 1984. .

OLIVEIRA, R. C. de; FARIA, C. O contato interétnico e o estudo das populações. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 17/20, p. 31-48, 1972.

OLIVEIRA, R. C. O índio e o mundo dos brancos. Campinas: Unicamp, 1996.

ORLANDI, E. P. Uma retórica do oprimido: Os discursos dos representantes indígenas. Trabalhos em Lingüística Aplicada, Campinas, v. 7, p. 61-79, 1986.

ORLANDI, E. P. Uma retórica do oprimido: os discursos dos representantes indígenas. Trabalhos em lingüística aplicada, Campinas, n. 7, p. 61-79, 1986.

PACHECO, E. O povo condenado. Rio de Janeiro: Artenova, 1977.

PAGDEN, A. La caída del hombre natural. El indio americano y los orígenes de la etnología comparativa. Madrid: Alianza Editorial, 1988.

PAIVA, C. H. A. A saúde pública em tempos de burocratização: o caso do médico Noel Nutels. História, Ciências, Saúde Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 10, p. 827-51, set.-dez. 2003.

PAIVA, E.; JUNQUEIRA, C. O estado contra o índio. São Paulo: PUC-SP, 1985.

PARAISO, M. H. B. Imigrantes europeus e índios: duas soluções para a questão da substituição da mão-de-obra escrava africana no Brasil na década de 1850. Inquice Revista Cultural Eletrônica, Salvador, v. 2, 2000.

PEIRANO, M. G. de S. The Anthropology of Anthropology: the Brazilian Case. 1981, Tesis (Doctorado en Antropología)- Universidad de Harvard, Cambridge, 1981.

PETER, T.; FLINT, C. Geografía política: economía mundo, Estado-nación y localidad. Madrid: Trama, 1994.

PILETTI, N.; PRAXEDES, W. Dom Hélder Câmara: entre o poder e a profecia. São Paulo: Ática, 1997.

PORTELA, F.; NETO, J. G. Guerra de guerrilhas no Brasil: a saga do Araguaia. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2002.

PRUTSCH, U. Migrantes na periferia: indígenas, europeus e japoneses no Paraná durante as primeiras décadas do século XX. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 218-236, 2014.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: LANDER, E. (Org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Julio 2000, Buenos Aires: CLACSO, p. 201-246. Disponible en: <https://bit.ly/2Sn1Awy> accedido en: 30 julio 2014.

RAMINELLI, R. Imagens da colonização. A representação do índio de Caminha a Vieira. São Paulo: Edusp, 1996.

RAMOS, A. R. A hall of mirrors: The rhetoric of indigenism in Brazil. Critique of Anthropology, Thousands Oaks, v. 11, n. 2, p. 155-169, 1991.

RAMOS, A. R. Anthropologist as political actor. Journal of Latin American Anthropology, Miami, v. 4, n. 2, p. 172-189, 1994.

RAMOS, A. R. Development does not rhyme with indians, or does it? En Indigenism, Ethtnic Politics in Brazil. Madison: The University of Wisconsin Press, 1998.

RAMOS, A. R. Los dilemas del pluralismo brasileño. Maguaré, Bogotá, n. 18, p. 7-32, 2004.

RAMOS, A. R. O índio hiper-real. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 28, n 10, p. 5-14, 1995.

RAMOS, A. R. Pulp Fictions del indigenismo. IN: GRIMSON, A. (Org.). La antropología brasileña contemporánea: contribuciones para un diálogo latinoamericano. 2004, Buenos Aires: Prometeo Libros, p. 357-390.

RAMOS, A. R. Uma crítica da desrazão indigenista. Mesa Redonda: Movimentos Indígenas, estruturas estatais e organismos transnacionais. XXII Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, 27-31 de outubro de 1998. Disponible en: <https://bit.ly/2YVhdOw>, accedido en: 25 de abril 2014.

RAMOS, A. R. Indigenism: ethnic politics in Brazil. Madison: Univ. of Wisconsin Press, 1998.

RATZINGER, J. Instrucción sobre algunos aspectos de la “Teología de la Liberación”. Revista de Ciencia Política, Santiago, v. 6, n. 2, p. 138-162, 1984.

REZENDE, M. J. A ditadura militar no Brasil: repressão e pretensão de legitimidade (1965-1985). Londrina: Editora da Universidade Estadual de Londrina, 2013.

RIBEIRO, B. O índio na história do Brasil. São Paulo: Global, 1983.

RIBEIRO, D. A obra indigenista de Rondon. América Indígena, México, v. 19, n. 2, p. 85-113, 1959.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

RIBEIRO, D. Os índios e a civilização. Petrópolis: Vozes, 1982.

RIBEIRO, D. Os protagonistas do drama indígena. Revista de Cultura Vozes, Petrópolis, p. 473-488, septiembre 1977.

RIBEIRO, D. Confissões. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

RIBEIRO, D. Indianidades y venutopías. Buenos Aires: COLIHUE, 1988.

RIBEIRO, D. Nosotros Latino-Americanos. Encontros com a Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, p. 33-56, 1982.

RIBEIRO, D. Um Ministro agride os índios. Ensaios de Opinião, Rio de Janeiro, p. 10-18, 1978.

RICARDO, C. Marcha para Oeste. Rio de Janeiro: José Olympio, 1940.

ROCHA, E. O que é Etnocentrismo. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1984.

ROMANO, R. Brasil: Igreja contra Estado. São Paulo: Kairos, 1979.

ROSA, J. G. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1965.

ROUX, J. C. De los límites a la frontera: o los malentendidos de la geopolítica amazónica. Revista de Indias, Madrid, v. 61, n. 223, p. 513-539, 2001.

RUGGERI, A. De la política del exterminio al indigenismo empresarial: los Waimiri Atroari y la Ocupación de la Amazonía. 2004. 214 f. Tese (Licenciatura en Antropología) – Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires, 2004.

RUGGERI, A. De la teoría geopolítica a la práctica del genocidio: La Doctrina de Seguridad Nacional y el exterminio indígena en la Amazonía Brasileña. Pensar a contracorriente, La Habana, nº 3, p. 231, 2006.

SABBATINI, S. Massacre. São Paulo: Edições Loyola, 1998.

SALES, C. M. Anais do I Congresso Brasileiro de Geografia Política, Geopolítica e Gestão do Território. Rio de Janeiro: REBRAGEO, p. 71-79, 2014.

SAMPAIO, P. M. Política indigenista no Brasil imperial. IN: GRINBERG, K. e SALES R. (Org.). O Brasil Imperial (1808-1889). 2009, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v.1 p. 175-206.

SAMWAYS, D. T. Inimigos imaginários, sentimentos reais: medo e paranoia no discurso anticomunista do Serviço Nacional de Informações (1970-1973). 2014, Tese (Doutorado em História). Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2014. Disponible en: https://bit.ly/2SnONdB, accedido en: 15 enero 2015.

SANTILLI, M. Os brasileiros e os índios. São Paulo: Ed. SE-NAC/SP, 2000.

SANTOS, W. G. dos. O cálculo do conflito: estabilidade e crise na política brasileira. Rio de Janeiro: UFMG; Iuperj, 2003.

SERBIN, K. Diálogos na sombra: bispos e militares, tortura e justiça social na ditadura. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SERBIN, K. Padres, celibato e conflito social. Uma história da Igreja católica no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

SEVCENKO, N. Orfeu extático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SHELTON, Davis. Vitimas do milagre: o desenvolvimento e os índios do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

SILVA, C. L. da. Sobreviventes do Extermínio. Uma Etnografia das Narrativas e Lembranças da Sociedade Xetá. 1998, Tese (Mestrado em História)- Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998.

SILVA, J. G. da. Velhos e novos mitos do rural brasileiro. Estudos avançados, São Paulo, v. 15, n. 43, p. 37-50, 2001.

SILVA, O. S. Índios e caboclos: estudo da obra de Eduardo Galvão. 1996, Tese (Doutorado em Ciências Sociais)- PUC, São Paulo, 1996.

SILVA, R. M. da C. O não-branco, o sertão e o pensamento social brasileiro. Prismas, Brasília, v.3, n. 2, p. 427 – 454, 2006.

SILVA, S. La teología de la liberación. Teología y vida, Santiago, v. 50, n. 1-2, p. 93-116, 2009.

SOARES, A. L. A relação entre os missionários jesuítas e indígenas no Brasil colonial. Revista Ameríndia-História, cultura e outros combates, Fortaleza, v. 2, n. 2, p. 07, 2007.

SOARES, G. A. D. O Golpe de 64. In: 21 anos de regime militar: balanços e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1994.

SOUZA, L. A. G. de. As várias faces da Igreja Católica. Estudos avançados, São Paulo, v. 18, n. 52, p. 77-95, 2004.

SOUZA, M. Os índios vão à luta. São Paulo: Marco Zero, 1981.

SOUZA, N. de. Disputas e tensões entre a instituição católica em São Paulo e a ditadura militar. Franciscanum, Bogota, v. 58, n. 166, 2016.

SOUZA, R. L. de. A mitologia bandeirante: construção e sentidos. Historia social, São Paulo, vol. 13, pp. 151-171, 2007.

SPÓSITO, F. Nem cidadãos, nem brasileiros: indígenas na formação do Estado nacional brasileiro conflitos na província de São Paulo (1822-1845). 2012, Tese (Doutorado em História)- Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

STADEN, H. Hans Staden’s True History: An account of cannibal captivity in Brazil. Duke University Press, 2008.

STAUFFER, D. H. Origem e fundação do Serviço de Proteção aos Índios. Revista de História, São Paulo, v. 18, n. 37, p. 73-96, 1959.

SUESS, P. A causa indígena na caminhada e a proposta do CIMI: 1972-1989. Petropolis: Vozes, 1989.

SUESS, P. Crônicas de Pastoral e Políticas Indigenista. Petrópolis: Vozes, 1985.

SUESS, P. Culturas Indígenas e evangelização. Revista Eclesiástica Brasileira, São Paulo, v. 41, f. 162, pp. 211-249, Junho de 1988.

SUESS, P. Em defesa dos povos indígenas, documentos e legislação. São Paulo: Edições Loyola, 1980.

TAVARES, S. S. À margem de uma comemoração: considerações sobre a Teologia da Libertação no seu quarentenário. HORIZONTE: Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, Belo Horizonte, v. 11, n. 32, 2013.

TIBOLA, A. P. L. Entre a farda e o pince-nez: a influência da Academia Real Militar na formação do Exército brasileiro. Oficina do Historiador, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 30-40, 2010. Disponible en: <https://bit.ly/2xUxmaU>, accedido en: 9 de septiembre 2014.

TIBOLA, A. P. L. Militares e Modernidade: conexões teóricas entre conhecimento científico e ideologia na formação dos oficiais do Exército brasileiro (1810-1864). ANPUH – XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – Fortaleza, 2009. Disponible en: <https://bit.ly/30xolku>, accedido en: 9 de septiembre 2014.

TODOROV, T. A conquista da América: a questão do Outro. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

TOLEDO, C. N. de. 1964: O golpe contra as reformas e a democracia. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.24, n.27, p. 133-28, 2004.

TOLEDO, C. N. de. O governo de Goulart e o golpe de 64. São Paulo: Brasiliense, 1993.

TORRES-LODOÑO, F. O índio como selvagem, “O diálogo da conversação dos gentios” e a memoria. Projeto História: Sentidos da Comemoração, São Paulo, n. 20, p. 269-279, 2000.

TREECE, D. Exilados, aliados e rebeldes. O movimento indianista, a política indigenista e o Estado-nação imperial. São Paulo: Nankin/Edusp, 2008.

TRINCHERO, H. H. Los Dominios del Demonio. Civilización y Barbarie en las fronteras de la Nación. Buenos Aires: Eudeba, 2000.

TRINIDAD, C. B. Discursos de identidad en las comunidades kichwa amazónicas del cantón Arajuno, provincia de Pastaza, Ecuador. 2011, Disertación (Máster en Estudios Américanos) Universidad de Sevilla, Sevilla, 2011.

TRINIDAD, C. B. La dimensión indígena del salvaje europeo. Historia 2.0. Conocimiento histórico en clave digital, Bucaramanga, n. 9, p. 31-50, 2015.

TRINIDAD, C. B. La Fundação Nacional do Índio al servicio de los intereses geoestratégicos e ideológicos de la dictadura brasileña (1967-1985). Americanía: Revista de Estudios Latinoamericanos, Sevilla, n. 3, p. 243-277, 2016.

TRINIDAD, C. B. La oposición necesaria al desarrollo moderno en Brasil. Iberoamérica Social: Revista-red de estudios sociales, Sevilla, no ESPECIAL, p. 25-48, 2016.

TRINIDAD, C. B. A questão indígena sob a ditadura militar. Anuário Antropológico, Brasilia, vol. 43, no 1, p. 257-257, 2018.

ULLOA, A. Nativo Ecológico: Movimientos Indígenas y Medio Ambiente en Colombia. IN: ARCHILA, Mauricio; PARDO, Mauricio (ed.). Movimientos sociales, estado y democracia en Colombia. Bogotá: ICANH-CES-Universidad Nacional, 2001.

VAINFAS, R. História cultural e historiografia brasileira. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 50, p. 217-235, 2009.

VAN DJIK, T. Discourse, Power and Access. En: CALDAS-COULTHARD, C.; COULTHARD, M. (Org.). Texts and Practices: Readings in Critical Discourse Analysis, 1996, New York: Routledge, pp. 84-104.

VAN DJIK, T. El Análisis Crítico del Discurso. Barcelona. Anthropos, Barcelona, n. 186, pp. 23-36, septiembre-octubre, 1999.

VARGAS, G. O verdadeiro sentido de brasilidade é a Marcha para o Oeste. Rio de Janeiro: IBGE, 1942.

VARHAGEN, F. História Geral do Brasil. São Paulo: Edusp, 1981.

VARNHAGEN, F. Os Índios Bravios e o Sr. Lisboa – 2ª Parte. Guanabara, Revista Mensal, Artística, Científica e Literária, Rio de Janeiro, p. 36-62, 1856.

VASCONCELOS, J. M. de. Arraia de fogo. Rio de Janeiro: Editôra Mérito, 1955.

VIDAL, C. S. A noção de fronteira e espaço nacional no pensamento social brasileiro. Texto de História, Brasília, v. 4, nº 2 pp. 94-129, 1996.

VIEIRA, R. O Jornal Porantim e o indígena. São Paulo: Annablume, 2000.

VILAÇA, A. M. N. O canibalismo funerário Pakaa Nova: uma etnografia. Rio de Janeiro: Programa de Pós-graduação em Antropologia Social (UFRJ), 1990.

VILLAS BÔAS, C. e O. A Marcha para O Oeste, A epopéia da expedição Roncador-Xingu. São Paulo: Editora Globo, 1994.

VILLAS BÔAS, C. e O. Almanaque do sertão: histórias de visitantes, sertanejos e índios. São Paulo: Globo, 1997.

VILLAS BÔAS, C. e O. Antigamente o índio nos comia. Revista de Cultura Vozes, Petrópolis, v. 60, ano 70, n. 3, p. 49-59, abril 1976.

VILLAS BÔAS, C. e O. Xingu: histórias de índios e sertanejos. Porto Alegre : Kuarup, 1992.

VILLORO, L. Los grandes momentos del indigenismo en México. México: El colegio de México, 1950.

WALLERSTEIN, I. M. Análisis de sistemas-mundo: una introducción. México: Siglo XXI, 2005.

WECKMANN, Luis. La herencia medieval del Brasil. Buenos Aires: Fondo de cultura económica, 1993.

WELCH, J. R., et al. Na primeira margem do rio: território e ecologia do povo Xavante de Wedezé. Brasilía: Museu do Índio/FUNAI, 2013.

YAMPEY, N. El mito del buen salvaje. Acta psiquiátr. psicol. Am. Lat, Buenos Aires, v. 40, n. 3, pp. 253-60, 1994.

ZEA, L. Darcy el americano. Cuadernos Americanos, México, n. 62, p. 27-28, 1997.

Relación de documentos consultados

Câmara dos Deputados. Relación de notas taquigráficas del archivo digital, disponible en: <https://bit.ly/2GehULd>

  • ALMEIDA, C. Seção I, 12 de agosto 1981, p. 7517-7518.
  • ALMEIDA, M. de. Seção I, 8 de junio 1971, p. 1702.
  • ALMEIDA, N. Seção I, 8 de marzo 1978, p. 307.
  • BARRETO, J. Seção I, 7 de abril 1975, p. 1119.
  • BERNARDES, J. Seção I, 25 de marzo 1974, p. 1000.
  • BRESOLIN, A. Seção I, 5 de abril 1973, p. 690.
  • BUSKEI, O. Seção I, 27 de octubre 1977, p. 2906-2907.
  • CÂMARA, A. Seção I, 11 de junio 1968, p. 3360.
  • CHIESSE, M. Seção I, 10 de agosto 1972, p. 2575.
  • DARIO, A. Seção I, 11 de junio 1968, p. 3360.
  • DIAS-NOVAES, I. Seção I, 8 de noviembre 1979, p. 1278-1279; 30 de junio 1975, p. 5804.
  • GUEDES, G. Seção I, 15 de junio 1965, p. 4431.
  • KALUME, J. Seção I, 14 de junio de 1966, p. 3678.
  • LEITE, A. Seção I, 11 de marzo 1965, p. 681.
  • LENZI, E. Seção I, 25 de noviembre 1978, p. 10512; p. 10527.
  • LIMA, H. Seção I, 20 de abril 1983, p. 2016.
  • MEDELOS, O. Seção I, 23 de marzo 1962, p. 194-195.
  • MENDES, B. Seção I, 18 abril 1983, p. 2035.
  • MIRANDA, B de. Seção I, 22 de octubre 1965, p. 8953.
  • RIBEIRO, N. Seção I, 5 de abril 1973, p. 692.
  • SANTANA, J. Seção I, 11 de septiembre 1972, p. 3374.
  • SILVEIRA, M. de. Seção I, 9 de abril 1981, p. 1911-1915.
  • VASCONCELOS, T. Seção I, 28 de mayo 1946, p. 2133.

Acervo Museu do Índio

Comissão de Linhas Telegraphicas Estrategicas de Matto Grosso ao Amazonas (Comissão Rondon):

(Publicação nº1) Relatório apresentado á Directoria Geral dos Telegraphos e á Divisão Geral de Engenharia (G.5) do Departamento da Guerra pelo Coronel Candido Mariano da Silva Rondon, Chefe da Comissão. 1º Volume, Estudos e Reconhecimentos. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1915. 918.172 C.RONDON C748 v.1 ex.2.

(Publicação nº2) Annexo N.5 Historia Natural, Ethnographia pelo Coronel Candido Mariano da Silva Rondon, Chefe da Comissão. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1915. 918.172 C.RONDON C748 v.2 ex.2.

(Publicação nº3) Relatório apresentado á Divisão de Engenharia (G.5) do Departamento da Guerra e á Directoria Geral dos Telegraphos pelo Coronel Candido Mariano da Silva Rondon, Chefe da Comissão. 3º Volume. Comprehendendo o segundo relatório parcial correspondente aos annos 1911 e 1912. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1915. 918.172 C.RONDON C748 v.26 ex.2.

(Publicação nº42) Conferencias realizadas pelo Coronel Candido Mariano da Silva Rondon, Chefe da Comissão, nos dias 5, 7 e 9 de Outubro de 1915 no Theatro Phenix do Rio de Janeiro e referentes a trabalhos executados sob sua chefia pela Expedição Scientifica Roosevelt-Rondon e pela Comissão Telegraphica. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1916. 918.172 C.RONDON C748 v.42 ex.2.

(Publicação nº68) Conferencias realizadas em 1910 no Rio de Janeiro e em São Paulo pelo Tenente-Coronel Cândido Mariano da Silva Rondon. 1º Edição: 1922. 2º Edição: Autorizada pelo CNPI 1946. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1946. 918.172 C.RONDON C748 v.68 ex.2.

(Publicação nº77) Anexo nº5 – Etnografia. Esboço Gramatical e Vocabulário da Língua dos índios Orôro Algumas lendas e notas etnográficas da mesma tribo pelo General Cândido Mariano da Silva Rondon, com a colaboração do Doutorando João Barbosa de Faria. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1948. 918.172 C.RONDON C748 v.77 ex.2.

(Publicação nº78) Anexo nº5 – Etnografia. Esboço Gramatical; vocabulário; lendas e cânticos dos Índios Ariti (Parici), pelo General Cândido M.S. Rondon, com a colaboração do doutorando João Barbosa de Faria. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1948. 918.172 C.RONDON C748 v.78 ex.2.

(Publicação nº86) Pelo índio e pela sua proteção oficial, trabalho organizado pelo então diretor do Serviço de Proteção aos Índios Luiz Bueno Horta Barbosa, Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1947. (1º edição 1923). 918.172 C.RONDON C748 v.86 ex.2.

(Publicação nº89) O problema indígena do Brasil, Conferência realizada no Atheneu de Montevidéu, a 1º de abril de 1925 por L. B. Horta Barbosa. Rio de Janeiro, 1947 Imprensa Nacional. (Primeira edição 1926). 918.172 C.RONDON C748 v.88 ex.2.

(Publicação nº97) Índios do Brasil do Centro, Noroeste e Sul de Mato-Grosso, volume I. Cândido Mariano da Silva Rondon. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1946. 918.172 C.RONDON C748 v.97 ex.2.

(Publicação nº98) Índios do Brasil das Cabeceiras do Rio Xingu, dos Rios Araguáia e Oiapóque. Volume II. Cândido Mariano da Silva Rondon. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1953. 918.172 C.RONDON C748 v.98 ex.2

(Publicação nº99) Índios do Brasil das Cabeceiras Norte do Rio Amazonas. Volume III. Cândido Mariano da Silva Rondon. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1953. 918.172 C.RONDON C748 v.99 ex.2

(Publicação nº100) 19 de abril. O dia do Índio, As comemorações realizadas em 1944 e 1945, 1º Volume. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1946. 918.172 C.RONDON C748 v.100 ex.2

(Publicação nº101) Em Defesa dos Brasilíndios. Conferência realizada pelo Prof. Basílio de Magalhães, no auditório do Ministério de Educação e Saúde, a 24 de abril de 1946, durante a “Semana do Índio”. Separata da publicação nº101. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1946. 918.172 C.RONDON C748 v.101 (1) ex.2

Boletim do Museu do Índio. Fundação Nacional do Índio, Ministério do Interior, Rio de Janeiro:

ROSALBA, L. M. F. G. O Posto Indígena de Mirandela. Documentação nº1, setembro/1976.

Catálogo do Material Lingüístico da Comissão Rondon. Documentação nº2, agosto/1982.

DEMARQUET, S. de A. Os Xokleng de Ibirama (uma comunidade indígena de Santa Catarina). Documentação nº3, dezembro/1983.

SEKI, L. Notas para a história dos Botocudos (BORUM). Documentação nº4, junho/1992.

FREIRE, C. A. da R. A criação do Conselho nacional de proteção aos índios e indigenismo interamericano (1939-1955). Documentação nº5 dezembro/1996.

Relatórios do Antropólogo Darcy Ribeiro 1949/1950. Documentação nº6, abril/1997.

GOMES, J. V. Grupos Indígenas Amanayé e Anambé, do Pará (Relatório). Documentação nº7, dezembro/1997.

LOVATO, L. A. A contribuição de Franz Keller á etnografia do Paraná. Antropologia nº1, novembro/1974.

AMORIM, P. M. de. Acamponesamento e proletarização das populações indígenas do nordeste brasileiro. Antropologia nº2, Maio/1975.

EMERICH, C.; MONERRAT, R. Sobre os aimorés, krens e botocudos. Notas lingüísticas. Antropologia nº3 Outubro/1975.

MARCATO, S. de A. A repressão contra os botocudos em Minas Gerais Etnohistoria nº1, maio/1979.

Acervo FUNAI/Biblioteca Curt Nimuendajú

Boletim Informativo. Brasília: FUNAI:

Fundação Nacional do Índio. DGPI reaplica mais no Porto Mãe Maria. v. 1, n. 1, p. 51-53, 1971. 

Fundação Nacional do Índio. Brasil protege seus Cinta Larga. v. 2, n. 1, p. 28-35, 1972. 

Fundação Nacional do Índio. Especialização de pessoal. v. 2, n. 1, p. 13-15, 1972. 

Fundação Nacional do Índio. Criados 30 novos postos indígenas. v. 2, p. 19-22, 1972.

Fundação Naiconal do Índio. Assistência técnica da FAO para os Krahô. v. 3, n. 1, p. 15-16, 1972.

Fundação Nacional do Índio. Atração dos Kreen-Akarore. v. 3, n. 1, p. 5-9, 1972. 

Fundação Nacional do Índio. Experiência pioneira em educação através do próprio índio. v. 3, n. 1, p. 18-19, 1972.

Fundação Nacional do Índio. Com índios em seu ambiente natural. v. 4, n. 1, p. 11-14, 1972. 

Fundação Nacional do Índio. Avá-Canoeiro. v. 5, n. 2, p. 65-69, 1972.

Fundação Nacional do Índio. Cerâmica mantém viva tradição dos Kadiwéu. v. 7, n. 2, p. 17-24, 1973.

Fundação Nacional Índio. Avá-Canoeiro. v. 8, n. 2, p. 3-10, 1973. 

Fundação Nacional do Índio. Desenvolvimento de projetos agropecuários nas áreas indígenas. v. 8, n. 2, p. 57-65, 1973. 

Fundação Nacional do Índio. Antropólogos estudarão os Kreen-Akarore. v. 8, n. 2, p. 41-45, 1973. 

Fundação Nacional do Índio. Um ano de informação sobre o índio. v. 9/10, n. 3, p. 25-37, 1973. 

Fundação Nacional do Índio. Iawari: um esporte indígena. v. 9/10, n. 3, p. 62-73, 1973. 

Fundação Nacional do Índio. Fantástica comunicação dos índios. v. 11/12, n. 3, p. 26-33, 1973.

Fundação Nacional do Índio. Avá-Canoeiro. v. 3, n. 11/12, p. 69-73, 1974. 

Fundação Nacional do Índio. O índio brasileiro na imprensa mundial em 1974. v. 13, n. 4, p. 17-23, 1975. 

Fundação Nacional do Índio. Antropólogos estudam o desenvolvimento dos Tikuna. v. 13, n. 4, p. 65- 68, 1975. 

Fundação Nacional do Índio. Desconhecidos Zoró. v. 13, n. 4, p. 24-28, 1975. 

GALVÃO, E. Grupos locais e os índios do Rio Negro. v. 14, n. 4, p. 43-52, 1975. 

ARNAUD, E. As terras dos índios.v. 17, n. 5, p. 5-16, 1976. 

FRIKEL, P.; CORTEZ, R. Uma explosão demográfica indígena. v. 17, n. 5, p. 55-60, 1976. 

Fundação Nacional do Índio. FUNAI inicia assistência efetiva aos índios do Acre. v. 17, n. 5, p. 17-20, 1976. 

Fundação Nacional de Índio. Kulina escolhe área para viver. v. 3, n. 18, p. 2-10, 1979. 

Revista de Atualidade Indígena, Brasília: FUNAI:

N. 1, nov./dez., 1976.

N. 3, mar./abr., 1977. 

N. 4, maio/jun., 1977. 

N. 5, jul./ago., 1977.

N. 6, set./out., 1977.

N. 7, nov./dez., 1977. 

N. 8, jan./fev., 1978. 

N. 9, Mar./abr., 1978. 

N. 10, maio/jun., 1978. 

N. 11, jul./ago., 1978. 

N. 12, set./out., 1978.

N. 13, nov./dez., 1978. 

N. 14, jan./fev., 1979. 

N. 15, mar./abr., 1979.

N. 16, maio/jun., 1979. 

N. 17, jul./ago., 1979. 

N. 18, set./out., 1979. 

N. 19, nov./dez., 1979. 

N. 20, mar./abr., 1981. 

N. 21, jul./ago., 1981. 

N. 22, abr./maio, 1982. 

N. 23, set./out., 1982.

Adhemar Ribeiro da Silva: o homem de Andreazza na presidência da FUNAI. Nimuendaju – Boletim da Comissão Pró-Índio, São Paulo: CPI, p. 4-6, jan./fev., 1979. FO / CX.02 / 109/1989.

ALMEIDA, R. H. (Org.). Aldeamento do Carretão segundo os seus herdeiros Tapuios: conversas gravadas em 1980 e 1983. Brasília: CGDOC/ FUNAI, 2003. 422 p. 572.95(817.3T175) / A447a.

AMARANTE, E. A. Rondon. As bem – aventuranças do povo Myky. Brasília: CIMI/CEPILA, 1975. 38 p. FO/CX.17/961/89.

Anais do II Simpósio Nacional de Estudos Missioneiros, 18 a 22 de outubro de 1977. Santa Rosa: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco, 1977. 239 p. 271 / A532a.

Associação Brasileira de Antropologia. ABA. Relatório final do Encontro dos Delegados (FUNAI). Brasília: ABA, 1985. 99-107 p. FO/CX.20/1.104/92.

BAUMANN, T. de B. Relatório Baumann. Brasília: FUNAI, 1981. 1v p. 441/2011 – 23/02/2011. BJP / 572.95(813.3P86) / B347r.

BERGMANN, M. Nasce um povo: estudo antropológico da população brasileira, como surgiu, composição racial, evolução futura. Petrópolis: Vozes, 1977. 204 p. (Publicações CID, História, 5). 572.95(81) / B499n.

CAMPOS, J. de Q. Informe de la delegación del Brasil ante el VI Congreso Indigenista Interamericano. América Indígena, México: Instituto Indigenista Interamericano, v. 28, n. 4, p. 1076-1083, out. 1968. 

CAMPOS, J. de Q. Actividades de la Fundación Nacional del Indio del Brasil, 1969. América Indígena. México: Instituto Indigenista Interamericano, p. 537-560, 1970.
FO/CX.54/3.451/2005.

Carta reproducida por los cuadernos del Centro de Estudos e Ação Social (CEAS), nº 109, mayo/junio 1987. FO CX 40 2507/1998.

Centro de Documentação das Culturas Indígenas de Roraima. Macuxi maimu. Mensageiro, Belém: CIMI, n. 49, p. 46, 1982.

CIMI/CNBB, Semana do Índio, Queremos Viver, 1985. FO CX 25 1476/1994.

CIMI/CNBB, Semana do Índio, Queremos Viver, 2ª Edición, 1985. FO CX 01 16/1989.

CIMI/CNBB, Série B, v.1, Subsídios didáticos sobre a questão indígena, “Povos Renascidos”, 1986. FO CX 01 14/1989

CIMI/CNBB, Série B, v.2, Subsídios didáticos sobre a questão indígena, “Somos povos somos nações, 1987. FOCX 01 15/1989.

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Terra é vida. Brasília: CNBB / CIMI, 1984. 50 p. 572.95(81) / C436t..

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Terra sim: violência não. Brasília: CNBB / CIMI, 1983. 127 p. 325.45(81) / C755t.

Conselho Indigenista Missionário – CIMI. Confederação dos Tamoios: a união que nasceu do sofrimento. Petrópolis: Vozes, 1984. 159 p. Ilust. Bibliografia. 572.95(81):37 / C578c.

Conselho Indigenista Missionário. Aqui a integra do anteprojeto (sem plurietnicidade). Porantim, Brasília: CIMI, v. 100, n. 100, p. 6, 1978.

Conselho Indigenista Missionário. CIMI. Aprender ensinando (uma experiência de educação entre os índios). Belém: CIMI, 1983. 1v p. FO/CX.26 1.558/94.

Conselho Indigenista Missionário. CIMI. et all. Terra Yanomami Vida. Brasília, 1979. 1-43 p. (Boletim do CIMI). FO/CX.26 1.546/94.

Conselho Indigenista Missionário. CIMI. Rio Biá e sua população indígena. Tefé: Prelazia de Tefé, 1979. 1v p. FO/CX.28B 1.769/95.

Conselho Indigenista Missionário. CIMI. Rio Jutaí: população indígena. Tefé: CIMI, 1979. 9 p. FO/CX.28A/1.715/95.

Conselho Indigenista Missionário. Suruí em festa retomando tradições. Mensageiro, Belém: CIMI, n. 60, p. 21, 1981.

DEMARQUET, S. de A. A terra Indígena no Brasil. Brasília: FUNAI, 1982. 22 p. FO/CX.18/1022/90.

DEMARQUET, S. de A. Por falar em índios no Brasil. Brasília: FUNAI, 1985. 15 p. FO/CX.14/750/89.

DIEHL, E. E. O projeto de emancipação indígena: a FUNAI entre 1979 e 1982. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 1988. 50 p. Trabalho apresentado ao curso de “relações interétnicas” do Programa de Pós – Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional/UFRJ. 325.45(81) / D559p.

FUNAI: muito coronel e pouco índio. Movimento, São Paulo: Edição S/A, p. 01-04, 19 a 25, out., 1981. FO / CX.64 / 4.248/2010

Fundação Nacional do Índio – FUNAI. 100 Kixti (estórias) Tukano. Brasília: FUNAI, 1983. 162 p. 572.95(811.3T91):087.5 / F979c.

Fundação Nacional do Índio – FUNAI. Legislação (e) jurisprudência indígenas. Brasília: FUNAI, 1983. 47 p. ex.1=235/88; ex.2=77/90. 325.45(81) / F979l.

Fundação Nacional do Índio – FUNAI. Museu do Índio: 30 anos, 1953-1983. Rio de Janeiro: Cia Brasileira de Artes Gráficas, 1989. 61 p. 069.013(81) / F979m.

Fundação Nacional do Índio. Condições de saúde 1978 – 1984: 2 ª Delegacia Regional. Belém: FUNAI, 1985. 31 p. FO/CX.19/1098/90.

Fundação Nacional do Índio. Condições de saúde 1978 – 1984: 2 ª Delegacia Regional. Belém: FUNAI, 1985. 31 p. FO/CX.19/1098/90.

Fundação Nacional do Índio. Funai em números. Brasília: FUNAI, 1972. FO / CX.03 / 133/1989

Fundação Nacional do Índio. Grupos indígenas do sul do Brasil. Brasília: FUNAI, 1982. 1v p.

Fundação Nacional do Índio. I Seminário FUNAI/ Missões Religiosas. Brasília: FUNAI, 1973. 271 / F979s.

Fundação Nacional do Índio. IX Curso de Formação de Auxiliar Técnico em Indigenismo. Brasília: FUNAI, 1981. 4 p. FO/CX.14/745/1989.

Fundação Nacional do Índio. Legislação. Brasília: FUNAI, 1974. 50 p. 325.45(81) / F979l.

Fundação Nacional do Índio. Lei, estatutos, decretos e minutas de decretos. Brasília: FUNAI, 1975. 325.45(81) / F979l.

Fundação Nacional do Índio. O que é a FUNAI. Brasília: FUNAI, 1972. 354.318.1 / F979q.

Fundação Nacional do Índio. Política e ação indigenista brasileira. Brasília: FUNAI, 1975. 57. ex.1 – 024/2008 – ex.2 – 025/2008. BJP / 325.45(81) / F979p.

Fundação Nacional do Índio. Política e ação indigenista brasileira. Brasília: FUNAI, 1975. 57 p. Ilust. BISAP / 325.45(81) / F979p / ex.1-3.

Fundação Nacional do Índio. Relatório do 1° Encontro de Monitores Bilíngües. Brasília: FUNAI, 1976. 23 p. FO/CX.01/07/89.

Fundação Nacional do Índio. Incidência de malária no Parque Indígena do Xingu. Brasília: FUNAI, 1972.
572.95(817):616.936 / F862i.

Fundação Nacional do Índio. Normas e procedimentos sobre contabilização do patrimônio indígena. Brasília: FUNAI, 1969. 96 p. Ilust. 829/2011 – 26/04/2011.
BIKUIAPA / 354 / F981n.

Fundação Nacional do Índio. Semana do Índio – 1970. Brasília:FUNAI, 1970. 16 p. FO/CX.14/753/89.

GAIGER, J. M. G. Toldo Chimbangue: direito Kaingang em Chapecó – análise jurídica. Xanxerê: CIMI, 1985. 50 p. Ilust. 325.45(81) / G137t.

Grupo Internacional de Trabajo de Asuntos Indígenas. FUNAI. Boletin IWGIA, Copenhague: IWGIA, v. 2, n. 2/3, p. 62-64, 1982.

HAHN, R. Missionários e homens de fronteira como agentes de mudança social entre os Rickbakca. Anais do Museu de Antropologia, Florianópolis: Instituto de Antropologia, v. 11/14, n. 12/15, p. 60-68, dez., 1982.

HECK, E.; D’ANGELIS, W. A ação indigenista do CIMI. Anais do Museu de Antropologia, Florianópolis: Instituto de Antropologia, v. 11/14, n. 12/15, p. 28-34, dez., 1982.

HENMAN, A. FUNAI pone obstáculos a la creación del Parque Yanomami. Boletin IWGIA, Copenhague: IWGIA, v. 3, n. 1, p. 28-34, 1983.

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Grupo de trabalho INCRA – FUNAI: primeiro relatório geral (GT – PORT. 724/76). Brasília: INCRA, 1978. 228 p. 572.95(81):333 / I59g.

IWGIA. Grupo Internacional de Trabajo sobre Assuntos Indígenas. Txukarramae release hostages – FUNAI, President dismessed. IWGIA Newsletter, Copenhague: IWGIA, n. 38, p. 10-13, 1984.

JUNQUEIRA, C. Teoria e prática do indigenismo. 1980. 59-79 p. (Cadernos PUC – Ciências Sociais). FO/CX.29/1.818/96.

JURUNA, M. O gravador do Juruna. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982. 280 p. (Depoimentos, 2). 572.95(81):308 / J96g.

LEPARGNEUR, H. O futuro dos índios no Brasil. Rio de Janeiro: Hachette, 1975. 117 p. 95/2009. BRE / 325.45(81) / L592f.

MINISTÉRIO DO INTERIOR. Linhas de ação: FUNAI – principais tribos e reservas indígenas. Brasília: Ministério do Interior, 1976. 7 p. FO/CX.23/1.345/92.

MINISTÉRIO DO INTERIOR. Realizações no período 1979-1984 e programação orçamentária 1985. Brasília: Ministério do Interior, 1985. 263 p. 351 / M665r.

MOONEN, F. J. Libertação indígena: a colonização e descolonização do Brasil indígena. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 1980. p. 407/2011 – 22/02/2011. BJP / 572.95(81) / M818l.

MOONEN, F. J. Pindorama conquistada: repensando a questão indígena no Brasil. João Pessoa: Alternativa, 1983. 154 p. 325.45(81) / M818p.

NEWMAN, B. A. O indígena brasileiro e educação. Brasília: FUNAI, 1973. 29 p. FO / CX.66 / 4.371/2012.

Nosso Chão. Febrero 1984, UNI-Regional Sul/Comissão Pro-Índio São Paulo. FO CX.15 839/1989

OLIVEIRA, A. G. FUNAI anistia demitidos de 1980. Boletim da ABA, Campinas: ABA, n. 17, p. 9, 1993.

OPAN. Entrevista: terras e reservas indígenas. Macaxeira, s.l: p. 23-26, 1975. FO / CX.21 / 1.151/1992

Payakã, Paulinho. A transamazônica em língua Kayapó. Brasília: FUNAI, 1972. 14 p. Ilust. 572.95(811.5K23): 809.81 / P343t

PIMENTEL, M. do C. da S. O serviço social de caso numa abordagem indigenista. Belém: Universidade do Pará, 1980. 43 p. 572.95(81):361 / P644s.

REBELO, D. C. Transamazônica: integração em marcha. Rio de Janeiro: CDP.MT, 1973. 243 p. 338.1:656.11(811/814) / R447t.

Revista: Religião e sociedade, n. 3, octubre 1978. FO CX33 2027/1996.

ROCHA, L. M. Da proteção fraternal ao integracionismo harmonioso: aspectos da política indigenista. 1930-1967. Brasília: FUNAI, 1993. 40 p. FO/CX.24/1.370/93.

ROMANI, G. L. Igreja e pastorais sociais: a Comissão Pastoral da Terra e o Conselho Indígenista Missionário na Diocese de Dourados (1971-2000). Dourados: UFMT, 2003. 151 p. 043.266 / R758i.

SALDANHA, L. “Escola de Heróis”: os cursos de formação dos técnicos de indigenismo da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) de 1970 até 1985. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1996. 104 p. 354.83 / S162e.

SCHWADE, E. Visão panorâmica da questão indígena brasileira. Brasília: CIMI, 1977. 17 p. FO/CX.43/2.654/2000.

SILVA, M. A. da. O movimento dos Guarani e Kaiowa de reocupação e recuperação de seus territórios em Mato Grosso do Sul e a participação do CIMI (Conselho Indigenista Missionário) 1978 – 2001. Dourados: UFMS, 2005. 206 p. -Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. 043.572.95(817.2K13) / S586m.

SUDESUL; UFSC. Projeto Xokleng. Florianópolis: UFSC, 1975. 125 p. 572.95(816.4X33) / S943p.

TORAL, A. A. de. IBDF e FUNAI: raposas no galinheiro. Povos Indígenas no Brasil/1983-Aconteceu Especial 14, São Paulo: CEDI, p. 200-201, 1984.

VELTHEM, L. H. V. GT – FUNAI identifica AI Paru de Leste. Povos Indígenas no Brasil/1984, São Paulo: CEDI, p. 110, 1985.

Visão panorâmica da questão indígena brasileira. Conferencia de Egydio Schwade en Arnoldshain, Alemania, 8 diciembre 1977. Documento sin publicar. FO CX 43, 2654/2000.

Acervo Armazém da Memória

Brasil Nunca Mais. Memórias reveladas, Arquivo Nacional:

Atas das reuniões do Conselho de Segurança Nacional: Livro de Atas nº7 (30 octubre 1969).

Atas das reuniões do Conselho de Segurança Nacional: Livro de Atas nº9 (15 marzo, 1985).

Comissão de Anistia, Ministério da Justiça, Repressão e Memória Política no Contexto Ibero-Brasileiro: estudos sobre Brasil, Guatemala, Moçambique, Peru e Portugal. Brasília: Ministério da Justiça, Comissão de Anistia; Portugal: Universidade de Coimbra, Centro de estudos sociais, 2010.

Ministério da Defesa. Informação nº512, 22 de mayo 1974.

Centro de Informação e Segurança da Aeronáutica (CISA):

1973, Transmissões radiofônicas do exterior para o Brasil. BR-NA-BSB. VAZ 93.143.

1975, CNBB e Centro de informações Eclésia. VAZ.84.40.

1975, Carta dos patriotas. Vaz.69.161

8 de marzo 1976, Boletim da diocese de Goiás VAZ.140.14.

6 de octubre 1976, Movimento estudantil. VAZ.30.69.

17 de enero 1977, “Panfleto Anistia” – Portugal. VAZ.32.15.

12 de abril 1977, Área Estudantil/77 (ITA). VAZ.16.20.

28 de marzo 1978, Movimento estudantil. VAZ.123.124.

26 de mayo 1978, Assembléia geral extraordinária da CNBB. VAZ.9.24.

15 de agosto 1978, Convergência socialista. VAZ 3.42.

4 de diciembre 1978, Congresso Nacional da Anistia – documentação. VAZ 65.3.

26 de junio 1978, Exemplar de periódico “Alvorada”. VAZ.27.129.

2 de julio 1979, PCB – Resolução para atuação no movimento universitário. VAZ 34.142.

9 de mayo 1979, MR-8 “Unidade proletária” nº28. VAZ 31.83.

9 noviembre 1979, “Liga internacional pelos direitos e liberdade dos povos” – entrevista de Gerald Thomas. VAZ 95.7.

17 de abril 1980, Base Aérea de Manaus, Seção de informações, atividade da sede, exibição do filme “25” recepção a exterrorista e atuação da comissão dos bairros. VAZ.13.42.

13 de febrero 1981, Movimentos grevistas de metalúrgicos em São Paulo. VAZ.6.26.

DSI-MJ Divisão de Segurança e Informação do Ministério de Justiça. Questões Fundiárias:

Coordenação de Documentos Escritos do Executivo e do Legislativo:

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.001.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.005.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.006.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.008.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.009.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.010.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.011.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.014.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.021.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.030.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.032.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.040.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.AVU.045.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.010.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.016.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.021.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.038.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.042.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.076.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.091.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.098 (v.2).

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.107.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.116.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.128.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.180.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.191.

BR RJANRIO.TT.0.QUF.PRO.194.

ASI-FUNAI:

Demarcação de Terras. Documentos do 001 até 178.

Delitos e Atividades Ilícitas. Documentos do 0001 até 0101.

Fundo Documentos Indígenas:

Boletim Interno do SPI:

1941-1942 (v.1-13). Rio de Janeiro. Ministério da Agricultura

1943 (v.14-25). Rio de Janeiro. Ministério da Agricultura.

1944 (v. 26). Rio de Janeiro. Ministério da Agricultura.

1960 (v.36-46). Rio de Janeiro. Ministério da Agricultura.

1961 (v.47-51). Rio de Janeiro. Ministério da Agricultura.

1962 (v.52-57). Rio de Janeiro. Ministério da Agricultura.

1965 (v.1-10) Nova Fase. Rio de Janeiro. Ministério da Agricultura.

1966 (v.11-16) Nova Fase. Rio de Janeiro. Ministério da Agricultura.

Boletim Informativo da FUNAI:

Año I, 1972: nº2 I trimestre; nº3 II trimestre; nº4 III trimestre, nº5 IV trimestre.

Año II, 1973: nº6 I trimestre; nº7 II trimestre; nº8 III trimestre; nº9 IV trimestre.

Año III, 1974: nº10 I trimestre; nº11 II trimestre; nº12 III trimestre; nº13 IV trimestre.

Año IV, 1975: nº14 I trimestre; nº15 II trimestre; nº16 III trimestre.

Año V, 1976: nº17 I trimestre.

Comissão Parlamentar de Inquérito, 1963:

CPI-SPI Notas Taquigráficas.

CI-SPI Outros Documentos.

Relatório Figueiredo, 1967-1968:

Relatório Jader Figueiredo ao Ministério do Interior. Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar irregularidades no Serviço de Proteção aos Índios e dá outras providências. Jader de Figueiredo Correia, Presidente de Comissão de Inquérito criada pela Portaria n.º239/1967 daquele Ministério com o fim de “Apurar Irregularidades no Serviço de Proteção aos Índios”. Comissão Figueiredo. Relatório. 1967.

1968.09.10 – Relatório Diário Oficial.

Autos do Processo.

Comissão Parlamentar de Inquérito, 1968.

Relatórios e pesquisas Cruz Vermelha Brasileira, 1970.

II Tribunal Russel, 1974-1975. A política de genocídio contra os índios do Brasil. AEPPA (Associação de ex-presos políticos antifascistas).

Comissão Parlamentar Inquérito, 1977.

IV Tribunal Russel, 1980. Informe del Cuarto Tribunal Russel sobre los Derechos de los Pueblos Indígenas de las Américas.

Hemeroteca Indígena:

Luta Indígena. N. 4, diciembre 1977.

Mensageiro. N.2, agosto 1979.

Revista de Cultura Vozes. Etnicidade, indigenato e campesinato. V. 73, n. 8, octubre 1993.

Aconteceu Especial. n. 12, 1982

CIMI. Porantim, Manaus:

Año I, n. 1, mayo 1978.

Año I, n. 2, junio 1978.

Año I, n. 3, julio 1978.

Año I, n. 4, julio/agosto, 1978.

Año I, n. 5, octubre 1978.

Año II, n. 11, agosto 1979.

Año II, n. 12, octubre 1979.

Año II, n. 6, enero 1979.

Año II, n. 7, abril 1979.

Año II, n. 8, junio 1979.

Año II, n.10, agosto 1979.

Año III, n. 23, octubre 1980.

Año III, n. 22, septiembre 1980.

Año III, n. 26, enero/febrero 1981

Año IV, n. 27, marzo 1981.

Año VI, n. 55, julio 1983.

Año VIII, n. 90, octubre 1986.

Año XII, n. 121, septiembre 1989.

SILVA, Luiz Fernando Villares e. (Org.). Coletânea da legislação indigenista brasileira. – Brasília: CGDTI/FUNAI, 2008.

Constitución de la República 24 de enero de 1967.

Decreto nº 65.810, del 8 de diciembre de 1969.

Ley nº 2.889, del 1 de octubre de 1956.

Ley nº 7.437, del 20 de diciembre de 1985.

Institución de la Fundação Nacional do Índio – Ley nº 5.371.

Ley nº 6.634 del 02 de mayo de 1979.

Ley 6.001 del 19 de diciembre de 1973.

Decreto nº 88.985 del 10 de noviembre de 1983.

Ministério da Defesa. Verde-Oliva, Centro de Relações Públicas do Exército, Brasília, v.1, 1973.

Centro de Trabalho Indigenista. Relatório de violações dos direitos humanos e territoriais dos Guarani no oeste do Paraná: subsídios à Comissão Nacional da Verdade (1946-1988), CNV, 2014, p. 211.

Comissão Nacional da Verdade. Relatório: textos temáticos – Brasília, v.2, 2014. 402 p.- disponible em http://www.cnv.gov.br/.

Manual Básico, Rio de Janeiro: Escola Superior de Guerra, 1986.

Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP). Revista do Serviço Público. V. 3, n. 1-2, julio-agosto 1939, p. 34.

Missão Salesiana de Mato Grosso. Campo Grande:

Pe. Rodolfo Lunkenbein e Simão Bororo – 40 anos de entrega, profecia e memória, 18 de julio 2016. Disponible en: <https://bit.ly/32zH1li>, accedido en: 30 de septiembre 2016.

MENDES, G. Padre Rodolfo e Simão Bororo (1976 – 2016): O líquido do sangue dos mártires que penetra no coração do povo e no coração da terra [Homilia], Meruri, 15 de julio 2016. Disponible en: <https://bit.ly/2Ycb96Y>, accedido en: 20 de septiembre 2016..

Internazionale. Resistenza Climática. Año 23, n. 1169, 2-8 de septiembre 2016.

Parabólica. Pe. Rodolfo Lunkenbein: uma vida pelos índios de Mato Grosso, 27 de octubre 2010. Disponible en: <https://bit.ly/30BHoKn/>, accedido en: 15 de diciembre 2015.

Recursos hemerográficos 

A Noticia, Manaus:

Apoena assume a presidência da FUNAI, 7 de noviembre 1985.

Apoena denuncia omissão da FUNAI, 28 de agosto 1979.

Índios que mataram branco podem ser canibais, 19 de septiembre 1984.

Papa terá encontro com índios, 9 de julio 1980.

Volta depois de dois anos afastado (82-84) para mudar a FUNAI, 28 de agosto 1979.

Manifesto de Repudio a FUNAI e a Andreazza no dia nacional do índio, 21 de abril 1979.

A Crítica, Manaus:

Polemico, Apoena está no desafio do indígena, 7 de noviembre 1985.

Proibição da FUNAI mexeu com a comunidade católica de Manaus, 27 de marzo, 1979.

CIMI critica ministro e a atuação da FUNAI, 9 de abril 1975.

Dia do Índio: 4 séculos de sacrifícios, 17 de abril 1979.

O Estado de São Paulo, São Paulo:

01 de marzo 1975.

19 de septiembre 1973.

26 de abril 1972.

A FUANI revela distorção, 21 de septiembre 1977.

A FUNAI quer respeito ao índio na Perimetral, 14 de agosto 1973.

A ruptura entre a FUNAI e o CIMI, 20 de junio 1975.

Amazônia: 84 entidades protestam, 5 de abril 1979.

Antropólogos criticam emancipação, 13 de septiembre 1980.

Ao indo o que é do índio, 31 de mayo 1979.

Aos 72 anos, morre o ex-deputado federal Márcio Moreira Alves, 3 de abril 2009.

Apoena denuncia ameaça ao índio, 26 de octubre 1975,

Assistir o índio, sem frear desenvolvimento, 22 de mayo de 1971.

Balduino não teme pressões, 17 marzo 1977.

BR-80 corta o parque do Xingu, 06 de mayo 1971

CIMI considera a atitude de Ismarth “corajosa e lúcida”, 9 de abril 1976.

CIMI critica a nova fórmula de emancipar índios, 1 agosto 1974.

CIMI denunciará à FUNAI destruição no Alto Purus, 24 de febrero de 1976.

CIMI diz que veto fere constituição, 10 de marzo 1974.

CIMI não opina sobre documento feito por bispos, 11 de abril 1974.

CIMI relembra o crime da aldeia Meruri, 18 de julio 1977.

Começa o apoio aos pioneiros na Perimetral, 19 de octubre 1973.

Como o massacre judeu, 9 de julio 1980.

Condenada a emancipação dos índios, 2 de marzo 1978.

Congresso indígena veta emancipação, 28 de abril 1978.

Conselho Indigenista aponta “o inimigo número um dos índios”: o ministro Rangel Reis, 14 octubre 1978.

Cotrim: a FUNAI não existe, 20 de agosto 1972.

Critica surpreende a FUNAI, 29 de abril 1975.

Denunciada miséria de índios, 15 de noviembre 1977.

É a FAB, una esperança na selva, 23 de junio de 1968, p. 26.

Emancipação do índio integrado em estudos, 25 de julio 1981.

Fritz Manso adverte inimigos do Regime, 17 de diciembre 1975

FUNAI confirma proibição ao CIMI, 17 de junio 1975.

FUNAI confirma proibição ao CIMI, 17 de junio 1975.

FUNAI debate questão Nhambiquara, 28 de octubre 1975.

FUNAI debate trabalho missionário, 27 de mayo 1976.

FUNAI defende alistamento dos dois xavantes, 23 de abril 1975.

FUNAI não interferira na religião dos índios, 14 de junio 1974.

FUNAI não limitará o trabalho das missões, 5 de septiembre 1974.

FUNAI não teria intenção de criar reserva Bororo, 05 de junio de 1975.

FUNAI proíbe 2 missionários de assistirem índios, 14 de junio 1975.

FUNAI repudia críticas a ministro, 10 de marzo 1975.

FUNAI vende a arte indígena, 13 de mayo 1971.

Gaviões preferem a tutela, 16 de septiembre 1977.

General quer integrar índios sem destruí-los, 20 de marzo 1974.

Grupo Bororo é contra a criação da reserva, 01 de marzo de 1975.

Igreja só vê índio se FUNAI permitir, 5 de abril 1974.

Índios cintas-largas morrem de sarampo, 6 de diciembre 1980.

Ismarth Araujo de Oliveira fala depois de proibir entrar ao CIMI à terras indígenas, 17 de junio 1975.

Morte de xavante inicia disputa do poder na reserva, 3 de mayo 1978.

Noel Nutels, 08 de abril 1971.

Nova Política preocupa órgão do setor, 25 de noviembre 1979.

Nutels, Medalha mérito indigenista, 6 de diciembre 1980.

O sertanista acusa FUNAI de omissão e inoperância, 11 de enero 1976

Os índios perguntam: “O que dirá Cristo?”, 4 de julio 1980.

Os Uaimiri-Atroari já aceitam o branco, 29 de abril 1981.

Padre aponta semelhança entre a FUNAI e esquadrão da morte, 14 de septiembre 1977.

Pastoral no Sul, 25 de octubre 1975.

Rangel: mudança na FUNAI teve inspiração de Geisel, 20 de abril 1976.

Revisão do Estatuto do Índio será ampla, 17 de octubre 1978.

Scherer condena ação do CIMI e Iasi elogia FUNAI, 15 de marzo 1977.

Sebastião Firmo substituirá Apoena junto aos Atroaris, 23 de octubre 1975.

Terras, principal motivo da reunião dos índios no Sul, 27 de marzo 1978.

Violência começa na expedição de Calleri, 1 de febrero 1973.

Folha de São Paulo, São Paulo:

20 de abril 1968

26 de diciembre 1973.

Andreazza chega de surpresa e assiste missa pelos índios, 23 de abril 1979

Andreazza chega de surpresa e assiste missa pelos índios, 23 de abril 1979.

Antropólogas acusam à FUNAI de racismo, 04 de octubre 1981.

Ato público repudia emancipação indígena, 9 de noviembre 1978.

Aumentam criticas à emancipação. 29 de octubre 1978.

Com ministro, repúdio à emancipação, 14 de septiembre 1978.

Como tratar os índios, a controvérsia na Igreja, 9 de julio 1980.

Crime contra índio vai ter julgamento, 10 de julio 1980.

Darci acusa Rangel Reis, 28 de julio 1978.

Darci duvida que antropólogos vão apoiar ministro, 2 de agosto 1978.

Demitidos da FUNAI fazem denuncias, 3 de julio 1980.

Dez anos de grande violência contra os índios, diz CIMI, 31 de diciembre 1979.

Emancipação do índio pode sair este ano, 13 de noviembre 1978.

Emancipación y el eterno juego del espejo de Cabral, 20 de abril 1978.

Entidades contra o decreto dos índios, 19 de septiembre 1978.

FUNAI admite estudo para mudar Estatuto, 11 de marzo 1981.

FUNAI é Policiesca, 23 de enero 1979.

FUNAI retém estudo sobre emancipação, 29 de julio 1981.

Índios entregarão documento, 8 de julio de 1980.

Ismarth diz que Darci desconhece a realidade do índio, 1 de agosto 1978.

Lutar contra a emancipação, 30 de abril 1978.

Manifesto Ataca política oficial, 30 de abril 1978.

Noel Nutels: nossos índios estão sendo liquidados pela cobiça dos civilizados 22 de noviembre 1968.

O governo deseja integrar economicamente o índio, 17 de octubre 1975.

Os índios no projeto de Código Civil: a emenda da datilógrafa, 1 de abril 1984.

Presidente da FUNAI reafirma que deixa cargo, 23 de octubre 1979.

Projeto Arapoã permite antever a sorte do índio após a emancipação, 4 de agosto 1978.

Projeto de emancipação do índio sofre novo repúdio, 29 de agoto 1978.

Projeto de emancipação índio já traz preocupação, 30 de julio 1978.

Pronto decreto que “emancipa” nossos índios, 31 de octubre 1979.

Protesto contra a emancipação, 7 de noviembre 1978.

Protestos no Exterior contra a emancipação, 12 de noviembre 1978.

Questão Indigena 28 de septiembre 1980.

Reis defende rápida emancipação do índio, 10 de mayo 1978.

Sertanista deixa FUNAI, 20 de mayo 1972.

O Globo, Rio de Janeiro:

1 de julio 1973.

14 de septiembre 1973.

18 de febrero 1972

Cardeal teme que espírito de Pombal seja reencarnado, 11 de enero de 1977.

Emancipação compulsória de índio preocupa antropólogos, 20 de abril 1981.

Estudos do governo concluem contra a criação da UNIND, 11 de abril 1981.

FUNAI garante integridade das reservas indígenas, 27 de mayo 1979.

Índio será integrado à sociedade, diz Rangel Reis, 9 de marzo 1974.

Índios x segurança internacional, 9 de abril 1981.

Nobre da Veiga defende tutela para índios integrados, 11 de marzo 1981.

Nobre da Veiga: Índio estará emancipado em cinco gerações, 12 de julio 1981.

Jornal de Brasil, Rio de Janeiro:

“Lobby” dos índios adia emancipação, 21 de julio 1978.

10 de marzo 1972

A FUNAI como tutora infiel, 27 de julio 1980.

A lista dos 15 maiores inimigos, 11 de julio 1980.

Antropologia e índios, 19 de diciembre 1978.

Antropólogo apóia luta dos índios, 26 de mayo 1978.

Antropólogos sugerem que FUNAI melhore tutela em vez de emancipar índio, 30 de agosto 1978.

Apoena, tal como o pai, 13 de diciembre 1981.

Brasil é acusado de “massacre de índios”, 11 de marzo 1972.

Capataz ameaça delegado da FUNAI, 8 de febrero 1980.

Emancipação do Índio, 9 de septiembre 1978.

Emancipação indígena muda de forma, 18 de octubre 1978.

Emancipação indígena vai a Geisel este mês em projeto que proíbe a venda de terra, 20 de octubre 1978.

FUNAI admite existência de índios canibais na área da Perimetral Norte, 23 de marzo 1973.

FUNAI cala sobre saída de índios, 30 de enero 1981.

FUNAI contesta Campanha do ator Marlon Brando, 11 de marzo 1972.

FUNAI e missões se defrontam por o índio, 1 de abril 1975.

Futuro presidente da FUNAI não quer emancipação, 24 de febrero 1979.

Indigenistas reagem à emancipação, 14 de octubre 1978.

Inquérito sobre SPI para à espera das comissões que continuarão investigações, 19 de marzo 1968.

Juruna diverge por que o Ministro não é índio, 16 de abril 1978.

Juruna quer extinguir FUNAI, 8 de octubre 1981.

Mara Vanessa Terra: a questão indígena, 10 de septiembre 1978.

Na terra dos Waimiri-atroari, a penúltima batalha dos indianistas, 8 de enero 1975.

Os índios vão à luta com “lobby” e tudo, 28 de abril 1985.

Rangel Reis processará Darcy Ribeiro se comprovar acusação feita na SBPC, 26 de julio 1978.

Território pode beneficiar tribos do Alto Rio Negro, 11 de febrero 1974.

Vilas Boas nega emancipação, 27 de septiembre 1980.

Xavantes são contra a emancipação, 11 de diciembre 1978.

Jornal de Brasília, Brasília:

Coordenador do CIMI denuncia ameaça de morte, 12 de marzo 1981.

Rangel denuncia a Darcy à procuradoria, 1 de agosto 1978.

FUNAI não quer auxílio estrangeiro para índios, 10 de octubre 1978.

Ecologistas da França pedem por Yanomanis, 13 de octubre 1981.

Rangel Reis diz que BNH não dá casa de luxo e que Resolução 386 será mantida, 19 de agosto 1978.

Rangel evoca a tutela do índio para se defender, 29 de julio 1978.

Apoena luta para efetivar mudança, 30 de julio 1985.

Correio da Manhã, Rio de Janeiro:

Gama Malcher acha que só FUNAI deve pacificar índios, 11 de diciembre 1968.

Na floresta quem sabe é índio, 13 de agosto 1970.

Noel Nutels Fala Hoje sobre SPI e morte dos índios, 19 de abril 1968.

Sertanista Confirma Crimes – SPI, 19 de marzo 1968.

Sertanista confirma SPI Nazista, 19 de marzo 1968.

Jornal do Comercio, Recife:

Geóloga expressa sua opinião a respeito, 18 de agosto 1987.

Entrevista a Noel Nutels ,17 abril 1960.

Veja, São Paulo:

Nosso índio não sobrevive. Entrevista a Francisco Meirelles, 23 de mayo 1973.

Índios, bibliotecas e tratores, 26 de mayo 1971.

Índios, prêmio e castigo, 4 de noviembre 1970.

Índios: feliz ou infeliz?, 14 de abril 1971.

15 de abril 1970

O destino difícil de uma raça, 15 de abril 1970.

A emancipação, 15 de noviembre 1978.

A prática da epopéia, 2 de septiembre 1970.

De volta à cidade, 27 de noviembre 1974.

Índios: a verdade, 28 de enero 1970.

A guerra da pacificação, 7 de abril 1971.

Correio Brazilense, Brasília:

O inteletual, 23 feb. 1997 

Ecologista Francês defende índios, 13 octubre 1981 

Visão, São Paulo:

Noel Nutels, 12 de abril 1968.

Porque o índio tem de morrer, 12 de abril 1968.

Comércio, Rio de Janeiro.

Altino pensa invadir outra vez Surucucu, 20 marzo 1985.

Correio, Salvador.

Rangel Reis não vai desmentir a declaração sobre missionários, 30 de marzo 1976.

Diário de Pernambuco, Recife.

Índio quer ajuda da ordem para processar FUNAI, 11 de marzo 1981.

Diário do Paraná, Curitiba.

D. Balduino fala de repressão na FUNAI, 4 de septiembre 1981.

Folha da Manhã, São Paulo.

Governo Investiga a Ideologia de padres, 28 de junio 1977.

Folha da Tarde, São Paulo.

FUNAI pretende mudar estatuto do índio, 11 de marzo 1981.

Folha de Goiáz, Goiânia.

A problemática indígena, tema de palestras na UFG, 25 de marzo 1981.

Folha de Rondônia, Porto Velho.

Antropólogos acham que ainda não se deve emancipar o índio , 29 de agosto 1978.

Folhetim, São Paulo.

A panela vazia da civilização, 28 de febrero 1981.

Istoé, São Paulo.

Índio: falta dialogo, 15 de noviembre 1978.

Jornal Movimento, São Paulo.

A FUNAI está enganada: índio não é caniço, 29 de enero 1979.

O progresso, Dourados.

Rangel enviará à FUNAI projeto que emancipa os índios, 11 de diciembre 1978.

Presença, Vitória.

Eles que defendem o índio que se entendam, 5 de mayo 1978.



Deja un comentario